Lição da Escola Sabatina - 1ºT/2022
:  Hebreus: mensagem para os últimos dias
Lição 1  — 25 a 31 de dezembro:   A carta aos hebreus e a nós A carta aos hebreus
e a nós

Sábado à tarde Ano Bíblico: Ap 10, 11
Verso para memorizar “Vocês precisam perseverar, para que, havendo feito a vontade de Deus, alcancem a promessa”. (Hb 10:36)

Leituras da semana Hb 2:3, 4; 1Pe 4:14, 16; Hb 13:1-9, 13; 1Rs 19:1-18; Hb 3:12-14; Nm 13.
Já imaginou como seria ouvir Jesus, ou um dos apóstolos, pregar? Temos trechos escritos e resumos de alguns de seus sermões, mas esses textos apresentam apenas uma ideia limitada do que foi dito. No entanto, Deus preservou nas Escrituras pelo menos um sermão completo: a carta de Paulo aos hebreus.
Paulo, autor de Hebreus, referiu-se à própria obra como “palavra de exortação” (Hb 13:22). Essa expressão era usada para identificar o sermão, tanto na sinagoga (At 13:15) quanto no culto cristão (1Tm 4:13). Assim, argumenta-se que a carta aos hebreus é o primeiro “sermão cristão completo” que temos. Essa carta foi dirigida aos crentes que aceitaram Jesus, mas depois passaram por dificuldades. Alguns foram insultados e perseguidos publicamente (Hb 10:32-34), e outros enfrentaram problemas financeiros (Hb 13:5, 6). Por isso, muitos estavam cansados e começaram a questionar sua fé (Hb 3:12, 13). Alguém no presente se identifica com eles?
Hb 13:22 Rogo-vos ainda, irmãos, que suporteis a presente palavra de exortação; tanto mais quanto vos escrevi resumidamente.

At 13:15 Depois da leitura da lei e dos profetas, os chefes da sinagoga mandaram dizer-lhes: Irmãos, se tendes alguma palavra de exortação para o povo, dizei-a.

1º Tm 4:13 Até à minha chegada, aplica-te à leitura, à exortação, ao ensino.

Hb 10:32 Lembrai-vos, porém, dos dias anteriores, em que, depois de iluminados, sustentastes grande luta e sofrimentos; 33 ora expostos como em espetáculo, tanto de opróbrio quanto de tribulações, ora tornando-vos co-participantes com aqueles que desse modo foram tratados. 34 Porque não somente vos compadecestes dos encarcerados, como também aceitastes com alegria o espólio dos vossos bens, tendo ciência de possuirdes vós mesmos patrimônio superior e durável.

Hb 13:5 Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei. 6 Assim, afirmemos confiantemente: O Senhor é o meu auxílio, não temerei; que me poderá fazer o homem?

Hb 3:12 Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo; 13 pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado

Em um sermão comovente, o apóstolo os desafiou (e, por extensão, nos desafia) a perseverar na fé em Jesus e fixar os olhos Naquele que está agora no santuário celestial.
Domingo, 26 de dezembro Ano Bíblico: Ap 12-14 Um começo gloriosoUm começo glorioso
Para compreender o sermão e aplicar sua mensagem a nós mesmos, precisamos entender a história da congregação e sua situação quando recebeu a carta do apóstolo Paulo.
1. Leia Hebreus 2:3, 4. Qual foi a experiência dos primeiros leitores de Hebreus quando se converteram?
Hb 2:3 como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram; 4 dando Deus testemunho juntamente com eles, por sinais, prodígios e vários milagres e por distribuições do Espírito Santo, segundo a sua vontade.
Essa passagem indica que a audiência de Hebreus não tinha ouvido o próprio Jesus pregar. Eles receberam o evangelho por meio de outros evangelistas que lhes anunciaram as boas-novas da salvação.
Paulo também disse que os evangelistas confirmaram a mensagem a eles e que o próprio Deus havia testemunhado “por meio de sinais, prodígios” e “vários milagres”. Isso significa que Deus providenciou a confirmação do evangelho por sinais e obras poderosas – entre elas a distribuição dos dons do Espírito Santo. O Novo Testamento (NT) relata que sinais, como curas milagrosas, exorcismos e o derramamento de dons espirituais com frequência acompanhavam a pregação do evangelho.
No início da igreja, Deus derramou Seu Espírito sobre os apóstolos em Jerusalém para que anunciassem o evangelho em idiomas desconhecidos e fizessem milagres (At 2; 3). Felipe realizou maravilhas em Samaria (At 8), Pedro em Jope e Cesareia (At 9; 10), e Paulo em seu ministério na Ásia Menor e na Europa (At 13–28). Essas ações confirmaram a mensagem de salvação – o estabelecimento do reino de Deus, a salvação da condenação e a libertação do poder do mal (Hb 12:25-29).
Hb 12:25 Tende cuidado, não recuseis ao que fala. Pois, se não escaparam aqueles que recusaram ouvir quem, divinamente, os advertia sobre a terra, muito menos nós, os que nos desviamos daquele que dos céus nos adverte, 26 aquele, cuja voz abalou, então, a terra; agora, porém, ele promete, dizendo: Ainda uma vez por todas, farei abalar não só a terra, mas também o céu. 27 Ora, esta palavra: Ainda uma vez por todas significa a remoção dessas coisas abaladas, como tinham sido feitas, para que as coisas que não são abaladas permaneçam. 28 Por isso, recebendo nós um reino inabalável, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus de modo agradável, com reverência e santo temor; 29 porque o nosso Deus é fogo consumidor.
O Espírito deu aos primeiros crentes a convicção de que seus pecados haviam sido perdoados; assim, não temiam o juízo e, como resultado, suas orações eram ousadas e confiantes, e sua experiência religiosa, alegre (At 2:37-47). O Espírito também libertou os escravizados pelo mal, o que era evidência convincente da superioridade do poder divino sobre as forças malignas e revelava que o reino de Deus havia sido estabelecido na vida deles.
At 2:37 Ouvindo eles estas coisas, compungiu-se-lhes o coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, irmãos? 38 Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. 39 Pois para vós outros é a promessa, para vossos filhos e para todos os que ainda estão longe, isto é, para quantos o Senhor, nosso Deus, chamar. 40 Com muitas outras palavras deu testemunho e exortava-os, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa. 41 Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas. 42 E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. 43 Em cada alma havia temor; e muitos prodígios e sinais eram feitos por intermédio dos apóstolos. 44 Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum. 45 Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade. 46 Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, 47 louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos.

Qual é a história de sua conversão? De que maneira você foi confirmado na fé e na crença em Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor? Faz bem lembrar como Deus trabalhou em sua vida para trazê-lo a Ele?
Segunda, 27 de dezembro Ano Bíblico: Ap 15-17 A lutaA luta
Quando os crentes confessaram sua fé em Cristo e se uniram à igreja, estabeleceram uma marca divisória que os distinguia do restante da sociedade. Infelizmente, isso se tornou uma fonte de conflito, porque implicitamente emitia um julgamento negativo sobre sua comunidade e seus valores.
2. Leia Hebreus 10:32-34 e 13:3. Qual foi a experiência dos leitores da carta de Hebreus após sua experiência de conversão?
Hb 10:32 Lembrai-vos, porém, dos dias anteriores, em que, depois de iluminados, sustentastes grande luta e sofrimentos; 33 ora expostos como em espetáculo, tanto de opróbrio quanto de tribulações, ora tornando-vos co-participantes com aqueles que desse modo foram tratados. 34 Porque não somente vos compadecestes dos encarcerados, como também aceitastes com alegria o espólio dos vossos bens, tendo ciência de possuirdes vós mesmos patrimônio superior e durável.

Hb 13:3 Lembrai-vos dos encarcerados, como se presos com eles; dos que sofrem maus tratos, como se, com efeito, vós mesmos em pessoa fôsseis os maltratados.

É muito provável que os leitores de Hebreus tenham sofrido ataques verbais e físicos nas mãos de turbas incitadas por oponentes (At 16:19-22; 17:1-9). Foram presos e é possível que também tenham sido espancados, pois os oficiais tinham poder de autorizar punições e encarceramento, muitas vezes sem seguir as normas judiciais adequadas, enquanto reuniam evidências (At 16:22, 23).
At 16:19 Vendo os seus senhores que se lhes desfizera a esperança do lucro, agarrando em Paulo e Silas, os arrastaram para a praça, à presença das autoridades; 20 e, levando-os aos pretores, disseram: Estes homens, sendo judeus, perturbam a nossa cidade, 21 propagando costumes que não podemos receber, nem praticar, porque somos romanos. 22 Levantou-se a multidão, unida contra eles, e os pretores, rasgando-lhes as vestes, mandaram açoitá-los com varas. 23 E, depois de lhes darem muitos açoites, os lançaram no cárcere, ordenando ao carcereiro que os guardasse com toda a segurança.

At 17:1 Tendo passado por Anfípolis e Apolônia, chegaram a Tessalônica, onde havia uma sinagoga de judeus. 2 Paulo, segundo o seu costume, foi procurá-los e, por três sábados, arrazoou com eles acerca das Escrituras, 3 expondo e demonstrando ter sido necessário que o Cristo padecesse e ressurgisse dentre os mortos; e este, dizia ele, é o Cristo, Jesus, que eu vos anuncio. 4 Alguns deles foram persuadidos e unidos a Paulo e Silas, bem como numerosa multidão de gregos piedosos e muitas distintas mulheres. 5 Os judeus, porém, movidos de inveja, trazendo consigo alguns homens maus dentre a malandragem, ajuntando a turba, alvoroçaram a cidade e, assaltando a casa de Jasom, procuravam trazê-los para o meio do povo. 6 Porém, não os encontrando, arrastaram Jasom e alguns irmãos perante as autoridades, clamando: Estes que têm transtornado o mundo chegaram também aqui, 7 os quais Jasom hospedou. Todos estes procedem contra os decretos de César, afirmando ser Jesus outro rei. 8 Tanto a multidão como as autoridades ficaram agitadas ao ouvirem estas palavras; 9 contudo, soltaram Jasom e os mais, após terem recebido deles a fiança estipulada.

3. Leia Hebreus 11:24-26 e 1 Pedro 4:14, 16. Como as experiências de Moisés e dos leitores de 1 Pedro ajudam a entender por que os cristãos eram perseguidos?
Hb 11:24 Pela fé, Moisés, quando já homem feito, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, 25 preferindo ser maltratado junto com o povo de Deus a usufruir prazeres transitórios do pecado; 26 porquanto considerou o opróbrio de Cristo por maiores riquezas do que os tesouros do Egito, porque contemplava o galardão.

1º Pe 4:14 Se, pelo nome de Cristo, sois injuriados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus. 16 mas, se sofrer como cristão, não se envergonhe disso; antes, glorifique a Deus com esse nome.

“Ser desprezado por causa de Cristo” significava identificar-se com Cristo e suportar a vergonha e o abuso que essa associação implicava. A animosidade pública contra os cristãos era resultado de seus compromissos religiosos distintos. Pessoas podem ficar ofendidas por práticas religiosas que não entendem ou por aqueles cujo estilo de vida e moral podem fazer outros se sentirem culpados ou envergonhados. Em meados do primeiro século d.C., Tácito considerou os cristãos culpados de “ódio contra a humanidade” (Alfred J. Church e William J. Brodribb, trad., The Complete Works of Tacitus [Nova York: The Modern Library, 1942], Annals 15.44.1). Não importa qual tenha sido a razão para essa falsa acusação, muitos dos primeiros cristãos, como aqueles a quem Paulo escreveu a carta aos hebreus, sofriam por sua fé.

Todos sofrem. No entanto, o que significa sofrer por causa de Cristo? Quanto do nosso sofrimento é por causa de Cristo e quanto é causado pelas nossas próprias escolhas?
Terça, 28 de dezembro Ano Bíblico: Ap 18, 19 Mal-estarMal-estar
Os leitores de Hebreus tiveram êxito em manter sua fé e compromisso com Cristo, apesar da rejeição e perseguição. O conflito, no entanto, cobrou seu preço. Eles lutaram e saíram vitoriosos, mas também cansados.
4. Leia Hebreus 2:18; 3:12, 13; 4:15; 10:25; 12:3, 12, 13; 13:1-9, 13. Quais foram alguns dos desafios que os crentes enfrentaram?
Hb 2:18 Pois, naquilo que ele mesmo sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que são tentados.

Hb 3:12 Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo; 13 pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado.

Hb 4:15 Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado.

Hb 10:25 Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima.

Hb 12:3 Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma. 12 Por isso, restabelecei as mãos descaídas e os joelhos trôpegos; 13 e fazei caminhos retos para os pés, para que não se extravie o que é manco; antes, seja curado.

Hb 13:1 Seja constante o amor fraternal. 2 Não negligencieis a hospitalidade, pois alguns, praticando-a, sem o saber acolheram anjos. 3 Lembrai-vos dos encarcerados, como se presos com eles; dos que sofrem maus tratos, como se, com efeito, vós mesmos em pessoa fôsseis os maltratados. 4 Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros. 5 Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei. 6 Assim, afirmemos confiantemente: O Senhor é o meu auxílio, não temerei; que me poderá fazer o homem? 7 Lembrai-vos dos vossos guias, os quais vos pregaram a palavra de Deus; e, considerando atentamente o fim da sua vida, imitai a fé que tiveram. 8 Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre. 9 Não vos deixeis envolver por doutrinas várias e estranhas, porquanto o que vale é estar o coração confirmado com graça e não com alimentos, pois nunca tiveram proveito os que com isto se preocuparam. 13 Saiamos, pois, a ele, fora do arraial, levando o seu vitupério.

Os cristãos continuaram a ter dificuldades. Ataques verbais e provavelmente outros tipos de ataques contra sua honra continuaram a ocorrer (Hb 13:13). Alguns estavam na prisão (Hb 13:3) – algo que pode ter esgotado a igreja financeira e psicologicamente. Estavam cansados (Hb 12:12, 13) e podiam facilmente desanimar (Hb 12:3).
Passado o ânimo da vitória, é comum entre as pessoas e comunidades que as defesas psicológicas e de outros tipos sejam afrouxadas e se tornem mais vulneráveis ao contra-ataque de inimigos. Fica mais difícil reunir uma segunda vez a força que uma pessoa ou comunidade mobilizou para enfrentar uma ameaça iminente.
5. Leia 1 Reis 19:1-4. O que aconteceu com Elias?
1º Reis 19:1 Acabe fez saber a Jezabel tudo quanto Elias havia feito e como matara todos os profetas à espada. 2 Então, Jezabel mandou um mensageiro a Elias a dizer-lhe: Façam-me os deuses como lhes aprouver se amanhã a estas horas não fizer eu à tua vida como fizeste a cada um deles. 3 Temendo, pois, Elias, levantou-se, e, para salvar sua vida, se foi, e chegou a Berseba, que pertence a Judá; e ali deixou o seu moço. 4 Ele mesmo, porém, se foi ao deserto, caminho de um dia, e veio, e se assentou debaixo de um zimbro; e pediu para si a morte e disse: Basta; toma agora, ó SENHOR, a minha alma, pois não sou melhor do que meus pais.
“No entanto, a reação que frequentemente se segue aos momentos de muita fé e glorioso sucesso estava pressionando Elias. Ele temeu que a reforma iniciada no Carmelo não fosse duradoura, e a depressão tomou conta dele. Havia sido exaltado ao topo do Pisga; agora estava no vale. Enquanto esteve sob a inspiração do Onipotente, ele havia resistido à mais severa prova de fé; mas, naquele momento de desânimo, com a ameaça de Jezabel ecoando em seus ouvidos e Satanás ainda aparentemente prevalecendo mediante a trama dessa ímpia mulher, ele perdeu sua firmeza em Deus. Havia sido grandemente exaltado, e a reação foi terrível. Esquecendo- se de Deus, Elias fugia cada vez mais, até que se encontrou num árido deserto, sozinho” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 161, 162).

Pense nas suas falhas na vida cristã e tente entender as circunstâncias e os fatores que contribuíram para o colapso. O que você poderia ter feito de diferente?
Quarta, 29 de dezembro Ano Bíblico: Ap 20-22 Encorajando uns aos outrosEncorajando uns aos outros
O que o apóstolo aconselhou os leitores a fazer diante da situação que enfrentavam? O que aprendemos com Hebreus? Além disso, analisemos como Deus ajudou Elias a se recuperar da experiência de desânimo.
6. Leia 1 Reis 19:5-18. O que Deus fez para restaurar a fé do profeta Elias?
1º Re 19:5 Deitou-se e dormiu debaixo do zimbro; eis que um anjo o tocou e lhe disse: Levanta-te e come. 6 Olhou ele e viu, junto à cabeceira, um pão cozido sobre pedras em brasa e uma botija de água. Comeu, bebeu e tornou a dormir. 7 Voltou segunda vez o anjo do SENHOR, tocou-o e lhe disse: Levanta-te e come, porque o caminho te será sobremodo longo. 8 Levantou-se, pois, comeu e bebeu; e, com a força daquela comida, caminhou quarenta dias e quarenta noites até Horebe, o monte de Deus. 9 Ali, entrou numa caverna, onde passou a noite; e eis que lhe veio a palavra do SENHOR e lhe disse: Que fazes aqui, Elias? 10 Ele respondeu: Tenho sido zeloso pelo SENHOR, Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derribaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada; e eu fiquei só, e procuram tirar-me a vida. 11 Disse-lhe Deus: Sai e põe-te neste monte perante o SENHOR. Eis que passava o SENHOR; e um grande e forte vento fendia os montes e despedaçava as penhas diante do SENHOR, porém o SENHOR não estava no vento; depois do vento, um terremoto, mas o SENHOR não estava no terremoto; 12 depois do terremoto, um fogo, mas o SENHOR não estava no fogo; e, depois do fogo, um cicio tranqüilo e suave. 13 Ouvindo-o Elias, envolveu o rosto no seu manto e, saindo, pôs-se à entrada da caverna. Eis que lhe veio uma voz e lhe disse: Que fazes aqui, Elias? 14 Ele respondeu: Tenho sido em extremo zeloso pelo SENHOR, Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derribaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada; e eu fiquei só, e procuram tirar-me a vida. 15 Disse-lhe o SENHOR: Vai, volta ao teu caminho para o deserto de Damasco e, em chegando lá, unge a Hazael rei sobre a Síria. 16 A Jeú, filho de Ninsi, ungirás rei sobre Israel e também Eliseu, filho de Safate, de Abel-Meolá, ungirás profeta em teu lugar. 17 Quem escapar à espada de Hazael, Jeú o matará; quem escapar à espada de Jeú, Eliseu o matará. 18 Também conservei em Israel sete mil, todos os joelhos que não se dobraram a Baal, e toda boca que o não beijou.
O modo como Deus tratou Elias depois do evento no Carmelo é fascinante, pois mostra o terno cuidado e a sabedoria com que Ele ministra aos angustiados, que lutam para recuperar a fé. O Senhor fez várias coisas por Elias. Primeiro, cuidou de suas necessidades físicas, dando-lhe comida e descanso. Então, na caverna, gentilmente o reprovou: “O que você está fazendo aqui, Elias?” Assim, ajudou o profeta a obter uma compreensão mais profunda de como o Senhor trabalha e cumpre Seus propósitos. Deus não estava no vento, no terremoto nem no fogo, mas numa voz mansa e suave. Então, deu a Elias uma obra a fazer e o tranquilizou.
7. Leia Hebreus 2:1; 3:12-14; 5:11–6:3 e 10:19-25. O que Paulo sugeriu que os crentes fizessem?
Hb 2:1 Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos.

Hb 3:12 Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo; 13 pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado. 14 Porque nos temos tornado participantes de Cristo, se, de fato, guardarmos firme, até ao fim, a confiança que, desde o princípio, tivemos.

Hb 5:11 A esse respeito temos muitas coisas que dizer e difíceis de explicar, porquanto vos tendes tornado tardios em ouvir. 12 Pois, com efeito, quando devíeis ser mestres, atendendo ao tempo decorrido, tendes, novamente, necessidade de alguém que vos ensine, de novo, quais são os princípios elementares dos oráculos de Deus; assim, vos tornastes como necessitados de leite e não de alimento sólido. 13 Ora, todo aquele que se alimenta de leite é inexperiente na palavra da justiça, porque é criança. 14 Mas o alimento sólido é para os adultos, para aqueles que, pela prática, têm as suas faculdades exercitadas para discernir não somente o bem, mas também o mal.

Hb 6:1 Por isso, pondo de parte os princípios elementares da doutrina de Cristo, deixemo-nos levar para o que é perfeito, não lançando, de novo, a base do arrependimento de obras mortas e da fé em Deus, 2 o ensino de batismos e da imposição de mãos, da ressurreição dos mortos e do juízo eterno. 3 Isso faremos, se Deus permitir.

Hb 10:19 Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, 20 pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne, 21 e tendo grande sacerdote sobre a casa de Deus, 22 aproximemo-nos, com sincero coração, em plena certeza de fé, tendo o coração purificado de má consciência e lavado o corpo com água pura. 23 Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel. 24 Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras. 25 Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima.

Em Hebreus, há várias instruções do apóstolo aos leitores para ajudálos a recuperar sua força e fé originais. Um aspecto que o autor enfatizou é cuidar das necessidades físicas de seus irmãos na fé. Ele sugeriu que praticassem hospitalidade e visitassem os presos, o que implicava prover às suas necessidades. O apóstolo exortou os leitores a ser generosos, lembrando que Deus não os abandonaria (Hb 13:1-6). Paulo também os reprovou e encorajou. Ele os advertiu a não se afastarem gradualmente (Hb 2:1), a não ter “um coração mau e descrente” (Hb 3:12) e os encorajou a crescer em sua compreensão da fé (Hb 5:11–6:3). Também comentou sobre a importância da frequência constante às reuniões da igreja (Hb 10:25). Em resumo, sugeriu que permanecessem unidos, encorajando uns aos outros e estimulando o amor e as boas obras, mas também exaltou Jesus e Seu ministério no santuário celestial em favor deles (Hb 8:1, 2; 12:1-4).
Hb 13:1 Seja constante o amor fraternal. 2 Não negligencieis a hospitalidade, pois alguns, praticando-a, sem o saber acolheram anjos. 3 Lembrai-vos dos encarcerados, como se presos com eles; dos que sofrem maus tratos, como se, com efeito, vós mesmos em pessoa fôsseis os maltratados. 4 Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros. 5 Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei. 6 Assim, afirmemos confiantemente: O Senhor é o meu auxílio, não temerei; que me poderá fazer o homem?

Hb 8:1 Ora, o essencial das coisas que temos dito é que possuímos tal sumo sacerdote, que se assentou à destra do trono da Majestade nos céus, 2 como ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, não o homem.


Sugeriu que permanecessem unidos, encorajando uns aos outros e estimulando o amor e as boas obras, mas também exaltou Jesus e Seu ministério no santuário celestial em favor deles.
Quinta, 30 de dezembro Ano Bíblico:
Repassar o Novo Testamento
Estes últimos diasEstes últimos dias
8. Leia Hebreus 1:2; 9:26-28; 10:25, 36-38 e 12:25-28. Que ponto Paulo enfatizou, especialmente em relação ao tempo?
Hb 1:2 nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo.

Hb 9:26 Ora, neste caso, seria necessário que ele tivesse sofrido muitas vezes desde a fundação do mundo; agora, porém, ao se cumprirem os tempos, se manifestou uma vez por todas, para aniquilar, pelo sacrifício de si mesmo, o pecado. 27 E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo, 28 assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação.

Hb 10:25 Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima. 36 Com efeito, tendes necessidade de perseverança, para que, havendo feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa. 37 Porque, ainda dentro de pouco tempo, aquele que vem virá e não tardará; 38 todavia, o meu justo viverá pela fé; e: Se retroceder, nele não se compraz a minha alma. 39 Nós, porém, não somos dos que retrocedem para a perdição; somos, entretanto, da fé, para a conservação da alma.

Hb 12:25 Tende cuidado, não recuseis ao que fala. Pois, se não escaparam aqueles que recusaram ouvir quem, divinamente, os advertia sobre a terra, muito menos nós, os que nos desviamos daquele que dos céus nos adverte, 26 aquele, cuja voz abalou, então, a terra; agora, porém, ele promete, dizendo: Ainda uma vez por todas, farei abalar não só a terra, mas também o céu. 27 Ora, esta palavra: Ainda uma vez por todas significa a remoção dessas coisas abaladas, como tinham sido feitas, para que as coisas que não são abaladas permaneçam. 28 Por isso, recebendo nós um reino inabalável, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus de modo agradável, com reverência e santo temor.

Há um elemento muito importante destacado pelo apóstolo que acrescenta urgência à sua exortação: os leitores estavam vivendo nos “últimos dias” (Hb 1:2) e as promessas estavam para se cumprir (Hb 10:36-38). É interessante, como veremos, que em todo o documento Paulo comparou sua audiência com a geração do deserto diante da fronteira de Canaã, pronta para entrar na terra prometida. Ele os lembrou: “Porque, ainda dentro de pouco tempo, Aquele que vem virá e não irá demorar” (Hb 10:37). E então os encorajou: “Nós, porém, não somos dos que retrocedem para a perdição, mas somos da fé, para a preservação da alma” (Hb 10:39). Essa última exortação lembrou aos leitores, e lembra a nós, sobre os perigos que o povo de Deus tem experimentado através da história pouco antes do cumprimento das promessas divinas.
O livro de Números fala exatamente disso. O registro bíblico diz que duas vezes, pouco antes de entrar na terra prometida, Israel sofreu derrotas importantes. Na primeira vez, registrada em Números 13 e 14, vários líderes espalharam dúvidas entre a congregação, o que fez com que a fé do povo de Israel falhasse. Como resultado, a comunidade decidiu nomear um novo líder e retornar ao Egito, bem no momento em que estavam prestes a entrar em Canaã.
Na segunda vez, os israelitas se envolveram com a sensualidade e a falsa adoração em Baal Peor (Nm 24 e 25). Embora Balaão não tivesse sido capaz de trazer maldição sobre os israelitas, Satanás usou tentações sexuais para liderar Israel na adoração falsa e no pecado, e assim trazer o desagrado de Deus sobre eles.
O apóstolo avisou os leitores de Hebreus contra os dois perigos. Primeiro, ele os exortou a apegar-se à confissão de sua fé e a manter os olhos fixos em Jesus (Hb 4:14; 10:23; 12:1-4). Em segundo lugar, os exortou contra a imoralidade e a cobiça (Hb 13:4-6). Finalmente, os exortou a dar ouvidos e a obedecer a seus líderes (Hb 13:7, 17).
Hb 4:14 Tendo, pois, a Jesus, o Filho de Deus, como grande sumo sacerdote que penetrou os céus, conservemos firmes a nossa confissão.

Hb 10:23 Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel.

Hb 12:1 Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, 2 olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus. 3 Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma. 4 Ora, na vossa luta contra o pecado, ainda não tendes resistido até ao sangue...

Hb 13:4 Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros. 5 Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei. 6 Assim, afirmemos confiantemente: O Senhor é o meu auxílio, não temerei; que me poderá fazer o homem?

Hb 13:7 Lembrai-vos dos vossos guias, os quais vos pregaram a palavra de Deus; e, considerando atentamente o fim da sua vida, imitai a fé que tiveram. 17 Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles; pois velam por vossa alma, como quem deve prestar contas, para que façam isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros.


Tendo em vista nossa compreensão do estado dos mortos, de que assim que fecharmos nossos olhos na morte, a próxima coisa que veremos será a segunda vinda de Cristo, por que podemos dizer que todos vivem nos “últimos dias”?
Sexta, 31 de dezembro Ano Bíblico:
Vista geral de toda a Bíblia
Estudo adicional
David A. de Silva explica por que os primeiros cristãos sofriam perseguição: “Os cristãos adotaram um estilo de vida que [...] teria sido considerado antissocial e subversivo. A lealdade aos deuses, expressa nos sacrifícios e atos semelhantes, era vista como símbolo de lealdade ao estado, às autoridades, aos amigos e à família. A adoração às divindades era uma espécie de símbolo da dedicação aos relacionamentos que mantinham a sociedade estável e próspera. Ao se absterem do primeiro, cristãos (e judeus) eram vistos como potenciais violadores das leis e [como] elementos subversivos do império” (Perseverance in Gratitude [Eerdmans, 2000], p. 12).
“Para quem está desanimado, há um remédio que funciona: fé, oração e trabalho. Fé e atividade darão segurança e satisfação que vão aumentar dia após dia. Você é tentado a dar lugar a sentimentos de ansiedade ou de profundo desânimo? Nos dias mais escuros, quando tudo parece ameaçador, não tenha medo. Tenha fé em Deus. Ele conhece suas necessidades; Ele possui todo o poder. Seu infinito amor e Sua compaixão jamais acabam. Não tema pensando que Ele falhará em cumprir Sua promessa. Ele é verdade eterna. Jamais mudará a aliança que fez com os que O amam. Ele capacitará Seus servos fiéis de acordo com as necessidades deles. O apóstolo Paulo testificou [...]” (2 Co 12:9, 10; Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 164, 165).
2º Co 12:9 Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo. 10 Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte.

Perguntas para consideração:

1 É possível ser “diferente” e ainda não ser desrespeitoso com os outros?

2 A palavra “exortação” na Bíblia pode se referir tanto à reprovação quanto ao encorajamento. Que cuidado devemos ter ao reprovar alguém desanimado na fé?

3 Que semelhanças há entre a experiência dos leitores de Hebreus e a da igreja de Laodiceia (Ap 3:14-22)? Nossa experiência se assemelha à deles? O que aprendemos com isso?
Ap 3:14 Ao anjo da igreja em Laodicéia escreve: Estas coisas diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus: 15 Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! 16 Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca; 17 pois dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu. 18 Aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres, vestiduras brancas para te vestires, a fim de que não seja manifesta a vergonha da tua nudez, e colírio para ungires os olhos, a fim de que vejas. 19 Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso e arrepende-te. 20 Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo. 21 Ao vencedor, dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono, assim como também eu venci e me sentei com meu Pai no seu trono. 22 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.

Respostas e atividades da semana:

1 Deus os confirmou por meio de sinais e prodígios.

2 Sofreram insultos, problemas financeiros, maus-tratos e prisões.

3 Os cristãos andavam na contramão do mundo, pois não acompanhavam seus costumes. Como Moisés, preferiam ser maltratados a usufruir prazeres transitórios do pecado.

4 Prisões, insultos, problemas financeiros e desânimo.

5 Jezabel o sentenciou à morte. Ele se sentiu desanimado na fé.

6 Deus o alimentou, o fez descansar e depois mostrou a ele Seus planos.

7 Que fossem hospitaleiros, visitassem os presos, não deixassem de se reunir e encorajassem uns aos outros.

8 Que estamos vivendo nos últimos dias, em que a volta de Jesus é iminente.


NOTA DO EDITOR

A Casa Publicadora Brasileira está lançando uma nova edição dos livros de Ellen G. White com linguagem atualizada. Nessa nova edição houve mudança no título dos capítulos, bem como na numeração das páginas. Para facilitar a localização das citações das novas edições, elas apresentam dois números de páginas: 1. No rodapé está a numeração da nova edição; 2. Na margem está a numeração das páginas das edições anteriores. A Lição da Escola Sabatina do primeiro trimestre de 2022 citará o número de página das edições anteriores. Os títulos de capítulos mencionados no Estudo Adicional já estão atualizados. Nos próximos trimestres, atualizaremos tanto o texto quanto a paginação.


Notas de Ellen G. White (indisponível)




















Auxiliar Resumo da Lição 1 ESBOÇO O livro de Hebreus foi originalmente lido e recebido pela igreja cristã primitiva como uma carta do apóstolo Paulo. A inclusão de Hebreus entre as epístolas paulinas nos manuscritos gregos sugere que ele seja seu autor. Nos primeiros manuscritos ainda existentes, datados em torno de 200 d.C., Hebreus está logo após a epístola de Paulo aos romanos. No presente, Hebreus está antes das epístolas gerais do Novo Testamento (NT): Tiago; 1 e 2 Pedro; 1, 2 e 3 João e Judas.

Hebreus não começa conforme o padrão das cartas (veja Hb 1:1-3). O livro não tem o nome de Paulo, nem os destinatários específicos, as saudações, tampouco a ação de graças (compare com Fp 1:1-11), porém termina na forma de uma carta. O autor, apontado por Ellen G. White como Paulo, dá instruções pertinentes aos seus leitores: “Irmãos, peço que escutem com paciência esta palavra de exortação” (Hb 13:22). Ele também saúda a igreja, assim como os seus líderes: “Saúdem todos os seus líderes, bem como todos os santos” (Hb 13:24). Na conclusão, despede-se com votos: “A graça esteja com todos vocês” (Hb 13:25). Portanto, à luz dessas diferenças, pode-se dizer que Hebreus é uma epístola um tanto incomum.

Temas da lição

A lição desta semana enfatiza três pontos: o “gênero” da epístola, seu público e os “últimos dias”.

COMENTÁRIO

O gênero de Hebreus

O estilo de Hebreus foi identificado como uma homilia ou sermão cristão. Quais são as razões textuais para se considerar Hebreus um sermão?

Primeiro, Paulo caracteriza sua obra como uma “palavra de exortação” (Hb 13:22), que é mais bem entendida como um discurso oral. Durante sua primeira viagem missionária, Paulo e Barnabé foram à sinagoga no sábado em Antioquia da Pisídia. Os líderes da sinagoga lhes perguntaram se tinham “alguma palavra de exortação ao povo” (At 13:15, ARA). Paulo se levantou e fez o sermão evangelístico, registrado em Atos 13:16-41.

Em segundo lugar, o livro de Hebreus usa pronomes relacionados à primeira pessoa do plural (nós/nosso), o que permite que o falante se identifique com seu público ao mesmo tempo em que afirma sua autoridade.

Terceiro, há várias referências a falar e ouvir, em vez de escrever e ler, características da composição paulina em outras obras. Considere os seguintes exemplos: “[...] sobre o qual estamos falando” (Hb 2:5); “A esse respeito temos muitas coisas a dizer, coisas difíceis de explicar, porque vocês ficaram com preguiça de ouvir” (Hb 5:11); “Ainda que falemos desta maneira” (Hb 6:9); “Ora, o essencial das coisas que estamos dizendo é” (Hb 8:1); “E que mais direi?” (Hb 11:32; ênfases acrescentadas).

Quarto, há uma alternância habilidosa entre explanação e exortação em Hebreus. Um orador do período greco-romano usaria esse padrão para enfatizar seus pontos sem perder a atenção do ouvinte. Esse recurso da oratória nos ajuda a identificar prontamente os padrões de alternância nessa obra. Assim, observamos que a explanação de Hebreus 1 leva diretamente à exortação de Hebreus 2:1-4. O argumento de Hebreus 2:5-18 se transforma imediatamente em uma aplicação em Hebreus 3:1. A discussão de Hebreus 3:2-6 é enfatizada pela palavra “portanto” (Hb 3:1, NVI), que, por sua vez, direciona à exortação de Hebreus 3:7-13. Então, a exposição de Hebreus 3:14-19 é aplicada em Hebreus 4:1, enquanto a exposição de Hebreus 4:2-10 culmina na exposição de Hebreus 4:11-16, etc. (para mais informações sobre a alternância entre exposição e exortação em Hebreus, ver: Donald A. Hagner, Encountering the Book of Hebrews: An Exposition, Encountering Biblical Studies [Baker, 2002], p. 28).

Quinto, a maneira pela qual Paulo introduz os temas fala em favor de uma forma oral de discurso por meio da qual ele cria um efeito cumulativo. Esses temas são mais bem desenvolvidos posteriormente. Por exemplo, a comunhão de Jesus com os seres humanos, mencionada em Hebreus 2:14-18, torna-se temática em Hebreus 5:1-10. Sua fé, retratada em Hebreus 3:1-6, é explicitada em Hebreus 12:1-3. Seu papel como Sumo Sacerdote (Hb 4:14; 5:1-10) é desenvolvido de maneira mais completa em Hebreus 7:1–9:28.

Em suma, ao considerarmos Hebreus como uma “palavra de exortação”, a conclusão parece inevitável: a epístola foi escrita, pelo menos originalmente, como um sermão. Os elementos da carta que apoiam essa conclusão são: (1) o uso do pronome da primeira pessoa do plural, (2) as referências a ouvir e falar, (3) a alternância entre exposição e exortação, bem como (4) a maneira pela qual Paulo introduz os temas sutilmente e mais tarde os desenvolve.

Perguntas para reflexão: Onde mais na Bíblia, ou no NT, há sermões registrados, e como se comparam a Hebreus, isto é, que elementos têm em comum, e quais são as diferenças?

O público de Hebreus

A identidade precisa do público de Hebreus não é claramente revelada, pois o livro não contém a introdução padrão de escrita de cartas na qual o público era nomeado. O que se pode dizer com certeza a partir do texto bíblico é que seus destinatários eram cristãos. Essa conclusão parece ser clara a partir do apelo de Paulo para que se apegassem à sua confissão: “Tendo, pois, Jesus, o Filho de Deus, como grande Sumo Sacerdote que adentrou os Céus, conservemos firmes a nossa confissão” (Hb 4:14; veja também Hb 10:23). Se os destinatários eram cristãos judeus, cristãos gentios ou um público misto é um assunto bastante discutido. A epístola não menciona nem judeus nem cristãos, tampouco a circuncisão ou o templo (não deve ser confundido com santo, traduzido como “santuário”, ou tenda, traduzida como “tabernáculo”). Além disso, a epístola se abstém de referências que causem divisão entre judeus e gentios. Esses fatos falam em favor de um público misto. Assim, o título “aos hebreus” é uma conjectura antiga sobre os destinatários. Independentemente de quem fossem, esse grupo importante era o “povo de Deus” (Hb 4:9).

A epístola foi dirigida a uma comunidade de cristãos que obviamente passou por pelo menos uma experiência de três fases.

A primeira fase foi caracterizada pela evangelização, realizada por aqueles que foram testemunhas oculares e auditivas de Cristo (Hb 2:3). Essa fase foi acompanhada por sinais dados por Deus, milagres e a distribuição do Espírito Santo (Hb 2:4). Aqueles que se tornaram cristãos durante esse período foram “iluminados”, “provaram o dom celestial”, “se tornaram participantes do Espírito Santo” e “provaram a boa palavra de Deus e os poderes do mundo vindouro” (Hb 6:4, 5). Por meio dessas experiências, a comunidade desenvolveu sua identidade de grupo e se destacou do mundo exterior.

A segunda fase foi caracterizada pela perseguição de fora da comunidade, enquanto os de dentro mostravam solidariedade entre si (Hb 10:32, 33). A perseguição se tornou terrivelmente feroz. Ainda assim, Paulo se lembrou de que eles “aceitaram com alegria a espoliação dos seus bens” (Hb 10:34). Essa perseguição cruel por um longo período de tempo poderia levar à fadiga, dúvidas e mal-estar.

Essa condição parece ter sido o problema na terceira fase. Foi por isso que Paulo fez um sermão tão eloquente. Ele desejava encorajar, exortar e alertar seu público. Advertiu-o a não se desviar (Hb 2:1), pois desejava que ninguém se afastasse do Deus vivo (Hb 3:12), e “a fim de que ninguém caia, segundo aquele exemplo de desobediência” (Hb 4:11), como a geração do Êxodo. O apóstolo encorajou seu público a progredir em vez de regredir. No entanto, percebeu que os membros de sua audiência “passaram a ter necessidade de leite e não de alimento sólido” (Hb 5:12). Além disso, seus destinatários estavam deixando de se congregar, “como [era] costume de alguns” (Hb 10:25). Paulo os exortou a não abandonar sua confiança, “porque ela tem grande recompensa” (Hb 10:35).

Em resumo, pode-se concluir que o público de Hebreus era formado por cristãos que passaram pelas fases de evangelismo entusiástico, depois perseguição feroz e, por fim, estavam tão cansados e desanimados que Paulo temeu por sua salvação eterna. Essa experiência de exaustão espiritual e desânimo foi a razão de o apóstolo proferir esse sermão enérgico.

Perguntas para reflexão: Pense no ciclo de vida da sua igreja. Analise onde você está em sua jornada com Deus em comparação com a audiência de Hebreus. Você estaria disposto a sofrer a ponto de aceitar com alegria o saque de seus bens? Cristo observou que a igreja em Éfeso havia perdido seu primeiro amor (Ap 2:4). Observação semelhante pode ser feita da audiência de Hebreus, cujo ardor espiritual diminuiu à medida que seu sofrimento se intensificou. Quais são as consequências de tal perda?

“Nestes últimos dias”

A palavra final e decisiva de Deus à humanidade veio por meio de Jesus, o Filho, “nestes últimos dias” (Hb 1:1, 2). Esses “últimos dias” tiveram início com a encarnação de Cristo e findarão com Sua segunda vinda, quando Seus inimigos se tornarão “estrado” dos Seus pés (Hb 1:13). Deus não apenas falou por meio das palavras de Jesus “nestes últimos dias”, mas também por meio de Suas ações, especialmente Sua morte, ressurreição e exaltação. É por isso que o conselho tanto ao público de Hebreus quanto a nós é que “nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos” (Hb 2:1).

Pergunta para reflexão: O que a metáfora náutica de Hebreus 2:1 diz sobre “estarmos à deriva” [ou nos desviarmos]?

APLICAÇÃO PARA A VIDA

Quando Beethoven tinha 5 anos, tocava violino instruído por seu pai. Aos 13, era organista de concerto. Na casa dos 20 anos, estudou com músicos renomados, como Haydn e Mozart. Conforme Beethoven desenvolvia suas habilidades, tornou-se um compositor prolífico. Seu entusiasmo pela música produziu várias sinfonias majestosas, muitos concertos para piano e numerosas peças de música de câmara. Seu amor pela música o impulsionou cada vez mais em suas realizações musicais. No entanto, ele passou por dificuldades. Ainda por volta dos 20 anos, começou a perder a audição. Quando chegou aos 50, Beethoven estava completamente surdo. Imagine o que isso significou para ele como músico!

Coloque-se no lugar do público de Hebreus. No auge do seu entusiasmo cristão, ocorreu um desastre inesperado. Como você reagiria ao sermão do apóstolo?


Informativo O caminho verdadeiro
Meu nome é Mário da Costa. Por ocasião de um importante feriado religioso em minha cidade, em Timor-Leste, eram realizados muitos eventos comemorativos. Em uma dessas ocasiões, decidi participar de uma corrida de cavalos. No entanto, para chegar à pista de corridas, precisava passar em frente à igreja adventista. Enquanto passava pela igreja, o obreiro bíblico Mariano me viu, correu até onde eu estava e perguntou: “Se você tiver tempo, gostaria de estudar a Bíblia comigo?”

Eu já havia estudado com os adventistas algumas vezes, mas interrompi os estudos porque pareciam ensinar as mesmas coisas que minha denominação pregava. Mesmo assim, quando o obreiro bíblico se aproximou, senti o desejo de conhecer mais a Bíblia. “Eu gostaria de estudar a Bíblia”, respondi. “Você não precisa vir à minha casa”, Mariano disse. “Eu irei à sua, e lá nos encontremos após a corrida.”

Justamente terminada a corrida, encontramo-nos em minha casa e começamos a estudar a Bíblia. Estudamos durante quatro meses, até que aceitei o convite dele para assistir ao culto da igreja adventista todos os sábados. Porém, continuava frequentando a igreja aos domingos. Eu cria não haver problema frequentar a igreja aos sábados e aos domingos.

Passado algum tempo, um evangelista adventista chegou na cidade e eu estudei os livros de Daniel e Apocalipse. Em Daniel 7:25, está escrito: “Ele falará contra o Altíssimo, oprimirá os Seus santos e tentará mudar os tempos e as leis. Os santos serão entregues nas mãos dele por um tempo, tempos e meio tempo” (NVI). Ao chegar em casa, abri a Bíblia e li o verso repetidas vezes, “Ele falará contra o Altíssimo, oprimirá os Seus santos e tentará mudar os tempos e as leis. Os santos serão entregues nas mãos dele por um tempo, tempos e meio tempo”. Mentalmente, falei: “Parece que acreditei numa mentira por muitos anos.” Fechei a Bíblia e a coloquei de lado. Tentei dormir, mas não consegui. Fiquei me perguntando se os adventistas tentavam me enganar. Talvez mostraram um verso para me convencer a fazer parte de sua igreja.

Levantei-me, acendi a luz e li novamente: “Ele falará contra o Altíssimo, oprimirá os Seus santos e tentará mudar os tempos e as leis. Os santos serão entregues nas mãos dele por um tempo, tempos e meio tempo.” Enquanto lia, fiquei impressionado ao perceber que minha igreja havia mudado o tempo do sábado e a lei que declara que o sétimo dia da semana é o dia santo do Senhor. Finalmente, percebi que o Espirito Santo convenceu o meu coração.

Imediatamente, decidi jejuar e orar, enquanto me perguntava: “Sábado ou domingo é o dia verdadeiro? Qual a igreja verdadeira, a minha ou a igreja adventista?” Depois de jejuar e orar durante uma semana, um pensamento veio à minha mente: “Você deve seguir o que está escrito na Bíblia.” Então, decidi seguir a vontade de Deus expressada nas Escrituras.

Embora frequentasse a igreja todos os sábados, o pastor nunca me convidou para ser batizado. Após o culto, durante o almoço, discutíamos sobre a Bíblia. Contudo, em certo sábado, entre a Escola Sabatina e o Culto Divino, perguntei ao pastor: “Quando haverá um batismo para as novas pessoas que desejem ser batizadas?” Ele respondeu: “Depende da pessoa que queira ser batizada. Podemos agendar o batismo dele ou dela assim que estiverem preparados.”

Naquele momento, tomei a decisão. “Se é assim que são realizados os batismos, quero agendar o meu”, disse. Imediatamente, o pastor me abraçou. Os adultos e as crianças viram nossa alegria e vieram apertar minha mão e me abraçar. “Você foi chamado por Deus”, algumas pessoas diziam. Quando ouvi aquelas palavras, chorei. Havia encontrado o caminho verdadeiro de Deus.

Atualmente, Mário é obreiro bíblico e conduz muitas pessoas ao verdadeiro caminho através de estudos bíblicos e pelo poder do Espirito Santo. Conheceremos muitos desses frutos durante as próximas semanas.

Há seis anos, as ofertas trimestrais ajudaram a abrir a primeira e única escola adventista no Timor-Leste. As ofertas deste trimestre ajudarão a construir um residencial na escola. Assim, muitas crianças oriundas de vilarejos distantes, como o que Mário serve como obreiro bíblico, poderão estudar nessa instituição. Agradecemos pelas ofertas.

Informações adicionais

• Peça que um homem apresente este relato na primeira pessoa.

• Faça o download das fotos no Facebook: bit.ly/fb-mq.

• Para outras notícias do Informativo Mundial das Missões e informações da Divisão do Pacífico Norte-Asiático, acesse: bit.ly/ssd-2022.

Esta história os seguintes componentes do plano estratégico do “I Will Go” [Eu irei] da Igreja Adventista: objetivo missionário nº 2 – “fortalecer e diversificar o alcance dos adventistas... entre grupos de pessoas não-alcançadas e para religiões não cristãs”; objetivo de crescimento espiritual nº 5 – “discipular indivíduos e família na vida espiritual”. A construção da escola ajudará a concluir o objetivo missionário número 4 – “fortalecer as instituições adventistas na defesa da liberdade, saúde integral e esperança através de Jesus, restaurando pessoas à imagem de Deus”. Saiba mais sobre o plano estratégico em IWillGo2020.org.


Comentário A carta aos hebreus e a nós A carta aos hebreus e a nós
Autor: Adriani Milli Rodrigues
Editoração: André Oliveira Santos
andre.oliveira@cpb.com.br
Revisora: Josiéli Nóbrega

A existência de uma carta pressupõe essencialmente a atuação de um remetente que se comunica por escrito com um destinatário. De maneira geral, é Deus quem Se comunica com seres humanos ao longo das eras por meio das epístolas bíblicas, uma vez que as Escrituras são divinamente inspiradas (2Tm 3:16). Entretanto, de maneira mais específica, Deus utiliza um autor humano que se comunica inicialmente com uma audiência particular, em determinado período histórico, em uma localidade geográfica.

Portanto, quando conhecemos a audiência e seu contexto, bem como o autor e seus propósitos, nosso entendimento do conteúdo da carta se torna muito mais amplo. Isso significa que, na medida que aprofundamos nosso conhecimento acerca do autor de Hebreus e sua respectiva audiência imediata, temos melhores condições para compreender, com atitude de oração e por meio da atuação do Espírito Santo em nossa mente, a mensagem que Deus tem para nós na Epístola aos Hebreus.

Em geral, dois tipos de evidência são utilizados para que conheçamos a identidade e as características do autor e a audiência imediata da Epístola aos Hebreus, assim como outros livros bíblicos: a evidência interna e a evidência externa. A evidência interna diz respeito às indicações do próprio texto da carta, enquanto a evidência externa se refere às informações históricas que obtemos em outros documentos. Obviamente, ao reconhecermos a divina inspiração das Escrituras, a evidência interna (as próprias indicações do texto bíblico) é uma evidência autoritativa, ao passo que as evidências externas, que não são autoritativas, têm o potencial de oferecer subsídios históricos de apoio. Nossa lição desta semana prioriza corretamente os dados da evidência interna.

1. Autoria

Diferente da maior parte das epístolas do Novo Testamento, e de modo similar a 1 João, Hebreus não contém uma introdução que menciona o remetente e os destinatários da epístola. Alguns podem até questionar se Hebreus seria, de fato, uma carta. Entretanto, a conclusão de Hebreus contém características de uma epístola (cf. 13:22-25). Se Tiago inicia como uma carta, mas não termina como tal, Hebreus termina como uma epístola, mas não inicia dessa forma.

Ao longo da história do cristianismo, há um amplo debate acerca da autoria de Hebreus. Tradicionalmente, Paulo é considerado o autor. Contudo, considerando as peculiaridades da epístola em termos linguísticos e literários, a discussão da autoria na história da teologia cristã também tem indicado nomes como Apolo, Barnabé e Lucas. A lição aponta Paulo como autor de Hebreus e existem algumas evidências cumulativas que parecem significativas para esse posicionamento.

Em relação à evidência interna, podemos destacar pelo menos três pontos:

(a) o autor era próximo de Timóteo (Hb 13:23), assumindo que esse seja a mesma pessoa referida em outras partes do Novo Testamento (At 16:1, 3; 17:14, 15; 18:5; 19:22; 20:4; Rm 16:21; 1Co 4:17; 16:10; 2Co 1:1, 19; Fp 1:1; 2:19, 22; Cl 1:1; 1Ts 1:1; 3:2; 2Ts 1:1; 1Tm 1:2, 18, 6:20; 2Tm 1:2; Fm 1);

(b) o conteúdo da carta é, em muitos aspectos, similar a várias ênfases das epístolas explicitamente paulinas (compare, por exemplo, Hb 1:3 com Cl 1:15-17, Hb 2:4 com 1Co 12:11, Hb 2:14-17 com Fp 2:7-8, Hb 8:6 com 2Co 3:6, Hb 10:14 com Rm 5:9);

(c) as peculiaridades da epístola em termos linguísticos e literários podem ser explicadas pelo uso de secretários literários por Paulo (veja Rm 1:1; 16:22; 1Co 1:1; 2Co 1:1; 13:10; Gl 1:1; 6:11; Fp 1:1; Cl 1:1; 4:18; 1Ts 1:1; 2Ts 1:1; 3:17; Fm 1).

Com respeito à evidência externa, Hebreus aparece integralmente entre as epístolas paulinas em um dos conjuntos de manuscritos gregos mais antigos do Novo Testamento, que é o Chester Beatty II, P46, datado aproximadamente do ano 200. Em geral, Hebreus circulava entre as igrejas como parte do corpus paulino nos primeiros séculos da era cristã.

2. Audiência imediata

Curiosamente, o conteúdo da carta não diferencia judeus e gentios. A constante e profunda abordagem do Antigo Testamento em Hebreus parece sugerir a predominância de uma audiência judaico-cristã, mas isso não impede que conversos gentios que tenham estudado o Antigo Testamento com afinco, por meio da tradução Septuaginta (LXX), fossem parte da audiência. Em geral, essa audiência provavelmente não tivesse ouvido Jesus ensinar e pregar, mas aprendeu sobre Seus ensinos a partir da mensagem apostólica (Hb 2:3, 4). Ao mesmo tempo, ela não parece ser recém-convertida, pois esses cristãos já tinham tempo suficiente para, nessa altura, já serem mestres em relação ao conhecimento da fé (Hb 5:12).

Um importante dado acerca da audiência na carta é a referência às dificuldades e perseguições. De fato, Hebreus parece indicar a existência de duas importantes perseguições, uma no passado (Hb 10:32-34) e outra no presente ou em um futuro próximo (Hb 12:3, 4, 12, 13).

A perseguição passada é descrita por meio das seguintes expressões: “grande luta e sofrimentos” (10:32), “insultados” e “maltratados” (10:33), prisões e espoliação de bens (10:34). Hebreus 10:32 parece dar a impressão de que tais perseguições não foram muito distantes do momento de conversão da audiência. Além disso, essa mesma passagem destaca a atitude de perseverança da audiência diante de tamanha dificuldade. Em realidade, o texto ressalta que essa atitude é digna de ser lembrada.

A audiência precisa se lembrar da perseverança exemplar dessa situação anterior como motivação espiritual para lidar com o novo cenário de perseguições que surge no horizonte. Além dessa lembrança, o capítulo 11 de Hebreus rememora a atitude perseverante dos pais da fé, que enfrentaram diversos desafios, e o início do capítulo 12 traz como clímax dessa lista a própria experiência perseverante de Jesus no contexto da vergonha da cruz (12:1-3). A ênfase motivacional da lembrança se fazia necessária pelo risco de desânimo e cansaço, que talvez indicasse a presença de uma nova fase de dificuldades e perseguições.

Nesse provável novo contexto desafiador, a epístola encoraja a seguir, a perseverança da audiência: “Na luta contra o pecado, vocês ainda não resistiram até o sangue” (Hb 12:4). Ademais, “levantem as mãos cansadas e fortaleçam os joelhos vacilantes. Façam caminhos retos para os seus pés, para que o manco não se desvie, mas seja curado” (12:12, 13).

Considerando que, em última instância, Deus é o supremo Autor de Hebreus e nós fazemos parte da audiência mais ampla dessa carta, somos motivados à perseverança em meios às dificuldades que enfrentamos na vida. Que a lição de Hebreus anime e fortaleça nossa fé!

Conheça o autor dos comentários para a Lição deste trimestre: Adriani Milli Rodrigues é o coordenador da graduação em Teologia no Centro Universitário Adventista de São Paulo. Possui doutorado (Ph.D) em Teologia Sistemática na Andrews University (EUA) e mestrado em Ciências da Religião pela UMESP.