Lição da Escola Sabatina - 1ºT/2022
:  Hebreus: mensagem para os últimos dias
Lição 3  — 08 a 14 de janeiro:   O Filho prometido O Filho prometido

Sábado à tarde Ano Bíblico: Gn 26 e 27
Verso para memorizar “Mas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e pelo qual também fez o Universo. O Filho, que é o resplendor da glória de Deus e a expressão exata do seu Ser...”. (Hb 1:2, 3)

Leituras da semana Is 2:2, 3; Hb 1:1-4; Êx 24:16, 17; Is 44:24; Hb 1:10; Lc 1:31, 32; Hb 1:5.
Logo depois que Adão e Eva pecaram, Deus lhes prometeu uma “semente”, um Filho que os libertaria do inimigo, recuperaria a herança perdida e cumpriria o propósito para o qual foram criados (Gn 3:15, ARC). Esse Filho os representaria e os redimiria tomando seu lugar e, por fim, destruiria a serpente. “Depois que Adão e Eva ouviram pela primeira vez a promessa, aguardavam um cumprimento imediato dela. Receberam alegremente seu primeiro filho, na esperança de que fosse o Libertador. Contudo, a concretização da promessa demorou” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 31).
Gn 3:15 Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.
A promessa foi posteriormente confirmada a Abraão. Deus jurou que ele teria um Descendente, um Filho por meio do qual todas as nações da Terra seriam abençoadas (Gn 22:16-18; Gl 3:16). E fez o mesmo a Davi. Prometeu-lhe que seu Descendente seria como Seu próprio Filho e seria estabelecido como um Governante justo sobre todos os reis da Terra (2Sm 7:12-14; Sl 89:27-29). Contudo, é provável que nem Adão nem Eva, nem Abraão nem Davi tenham imaginado que esse Filho Redentor seria o próprio Deus.
Domingo, 09 de janeiro Ano Bíblico: Gn 28-30 Nestes últimos diasNestes últimos dias
O primeiro parágrafo de Hebreus revela que Paulo acreditava estar vivendo nos “últimos dias”. As Escrituras empregam duas expressões sobre o futuro, com significados diferentes. Os profetas usaram a expressão “últimos dias” para falar sobre o futuro em geral (Dt 4:30, 31; Jr 23:20). Daniel usou a expressão “tempo do fim”, para falar sobre os últimos dias da história da Terra (Dn 8:17; 12:4).
1. Leia Números 24:14-19 e Isaías 2:2, 3. O que Deus prometeu fazer por Seu povo nos “últimos dias”?
Nm 24:14 Agora, eis que vou ao meu povo; vem, avisar-te-ei do que fará este povo ao teu, nos últimos dias. 15 Então, proferiu a sua palavra e disse: Palavra de Balaão, filho de Beor, palavra do homem de olhos abertos, 16 palavra daquele que ouve os ditos de Deus e sabe a ciência do Altíssimo; daquele que tem a visão do Todo-Poderoso e prostra-se, porém de olhos abertos: 17 Vê-lo-ei, mas não agora; contemplá-lo-ei, mas não de perto; uma estrela procederá de Jacó, de Israel subirá um cetro que ferirá as têmporas de Moabe e destruirá todos os filhos de Sete. 18 Edom será uma possessão; Seir, seus inimigos, também será uma possessão; mas Israel fará proezas. 19 De Jacó sairá o dominador e exterminará os que restam das cidades.

Is 2:2 Nos últimos dias, acontecerá que o monte da Casa do SENHOR será estabelecido no cimo dos montes e se elevará sobre os outeiros, e para ele afluirão todos os povos. 3 Irão muitas nações e dirão: Vinde, e subamos ao monte do SENHOR e à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e andemos pelas suas veredas; porque de Sião sairá a lei, e a palavra do SENHOR, de Jerusalém.

Vários profetas do AT anunciaram que nos “últimos dias” Deus levantaria um Rei que destruiria os inimigos de Seu povo (Nm 24:14-19) e que atrairia as nações para Israel (Is 2:2, 3). Paulo disse que essas promessas foram cumpridas em Jesus. Ele derrotou Satanás e atraiu todas as nações para Si (Cl 2:15; Jo 12:32). Nesse sentido, “os últimos dias” começaram porque Jesus cumpriu essas promessas divinas.
Nossos pais espirituais morreram na fé. Eles viram e saudaram as promessas “de longe”, mas não as receberam. Nós, porém, vimos seu cumprimento em Jesus.
Pensemos por um momento nas promessas de Deus e de Jesus. O Pai prometeu que ressuscitaria Seus filhos (1Ts 4:15, 16). A notícia maravilhosa é que essa ressurreição teve início com a ressurreição de Jesus (1Co 15:20; Mt 27:51-53). O Pai também prometeu uma nova criação (Is 65:17). Ele começou a cumprir essa promessa criando uma nova vida espiritual em nós (2Co 5:17; Gl 6:15). Ele prometeu que estabeleceria Seu reino (Dn 2:44) e o inaugurou libertando-nos do poder de Satanás e estabelecendo Jesus como nosso Governante (Mt 12:28-30; Lc 10:18-20). Isso é apenas o começo. O que o Pai começou a fazer na primeira vinda de Jesus, Ele completará na segunda.
1Co 15:20 Mas, de fato, Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem.

Mt 27:51 Eis que o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo; tremeu a terra, fenderam-se as rochas; 52 abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam, ressuscitaram; 53 e, saindo dos sepulcros depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos.

2Co 5:17 E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas.

Gl 6:15 Pois nem a circuncisão é coisa alguma, nem a incircuncisão, mas o ser nova criatura.

Mt 12:28 Se, porém, eu expulso demônios pelo Espírito de Deus, certamente é chegado o reino de Deus sobre vós. 29 Ou como pode alguém entrar na casa do valente e roubar-lhe os bens sem primeiro amarrá-lo? E, então, lhe saqueará a casa. 30 Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha.

Lc 10:18 Mas ele lhes disse: Eu via Satanás caindo do céu como um relâmpago. 19 Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões e sobre todo o poder do inimigo, e nada, absolutamente, vos causará dano. 20 Não obstante, alegrai-vos, não porque os espíritos se vos submetem, e sim porque o vosso nome está arrolado nos céus.

2. Quando foi inaugurado o reino de Deus?

A. (x) Na crucifixão e ressurreição de Cristo, quando Ele venceu a morte.
B. ( ) Quando Cristo nasceu em Belém.

Veja as promessas que Deus já cumpriu. Como isso nos ajuda a confiar Nele quanto às que ainda não se cumpriram?
Segunda, 10 de janeiro Ano Bíblico: Gn 31-33 Deus nos falou pelo FilhoDeus nos falou pelo Filho
3. Leia Hebreus 1:1-4. Qual é a ideia central desses versos?
Hb 1:1 Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, 2 nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo. 3 Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas, 4 tendo-se tornado tão superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles.
No original grego, Hebreus 1:1-4 é apenas uma frase, e afirma-se que é a mais bela de todo o NT do ponto de vista de sua qualidade retórica. Sua principal afirmação é que Deus falou conosco por meio de Seu Filho, Jesus.
Para os judeus do primeiro século d.C., a palavra de Deus não era ouvida havia muito tempo. A última revelação expressa na Palavra divina escrita foi por meio do profeta Malaquias e dos ministérios de Esdras e Neemias quatro séculos antes. Porém, por meio de Jesus, Deus falou com eles novamente.
A revelação divina por meio de Jesus, no entanto, foi superior à revelação que Deus fez por meio dos profetas, pois Jesus é um meio maior de revelação. Ele é o próprio Deus, que criou o céu e a Terra e governa o Universo. Para Paulo, a divindade de Cristo é inquestionável.
Além disso, para o apóstolo, o AT era a Palavra de Deus. O mesmo Deus que falou no passado continua a falar no presente. O AT comunica a vontade divina; porém, só foi possível entender seu significado de maneira mais completa quando o Filho veio à Terra. Na mente do autor, a revelação do Pai no Filho ofereceu a chave para a compreensão da verdadeira amplitude do AT, assim como a imagem na caixa de um quebra-cabeça apresenta a chave para encontrar o encaixe correto para cada uma das peças. Jesus trouxe à luz muito do AT.
Ele veio para ser nosso Representante e Salvador, tomar nosso lugar na luta e derrotar a serpente. Da mesma forma, em Hebreus, Jesus é o Pioneiro, Capitão e “Precursor” dos crentes (Hb 2:10; 6:20). Ele luta por nós e nos representa. Isso também significa que o que Deus fez por Jesus, nosso Representante, também quer fazer por nós. Aquele que exaltou Jesus à Sua direita também deseja que nos sentemos com Jesus em Seu trono (Ap 3:21). A mensagem de Deus para nós em Jesus inclui não apenas o que Jesus disse, mas também o que o Pai fez por meio Dele e para Ele, para nosso benefício temporal e eterno.
Hb 2:10Porque convinha que aquele, por cuja causa e por quem todas as coisas existem, conduzindo muitos filhos à glória, aperfeiçoasse, por meio de sofrimentos, o Autor da salvação deles.

Hb 6:20Onde Jesus, como precursor, entrou por nós, tendo-se tornado sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque.

Ap 3:21Ao vencedor, dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono, assim como também eu venci e me sentei com meu Pai no seu trono.


Pense no significado da vinda de Deus à Terra, na Pessoa de Jesus. Por que essa verdade nos traz tanta esperança?
Terça, 11 de janeiro Ano Bíblico: Gn 34-36 Ele é o resplendor da glória de DeusEle é o resplendor
da glória de Deus

4. Leia Hebreus 1:2-4. O que essa passagem nos ensina sobre Jesus?
Hb 1:2 nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo. 3 Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas, 4 tendo-se tornado tão superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles.
5. Leia Êxodo 24:16, 17; Salmo 4:6; 36:9 e 89:15. Como esses textos nos ajudam a entender o que é a glória de Deus?
Ex 24:16 E a glória do SENHOR pousou sobre o monte Sinai, e a nuvem o cobriu por seis dias; ao sétimo dia, do meio da nuvem chamou o SENHOR a Moisés. 17 O aspecto da glória do SENHOR era como um fogo consumidor no cimo do monte, aos olhos dos filhos de Israel.

Sl 4:6 Há muitos que dizem: Quem nos dará a conhecer o bem? SENHOR, levanta sobre nós a luz do teu rosto.

Sl 36:9 Pois em ti está o manancial da vida; na tua luz, vemos a luz.

Sl 89:15 Bem-aventurado o povo que conhece os vivas de júbilo, que anda, ó SENHOR, na luz da tua presença.

No AT, a glória de Deus se refere à Sua presença visível entre o povo (Êx 16:7; 24:16, 17; Lv 9:23; Nm 14:10). Essa presença é frequentemente associada à luz ou ao brilho.
As Escrituras nos informam que Jesus é a luz que veio a este mundo para revelar a glória de Deus (Hb 1:3; Jo 1:6-9, 14-18; 2Co 4:6). Pense, por exemplo, em Jesus na transfiguração. “E Jesus foi transfigurado diante deles. O Seu rosto resplandecia como o Sol, e as Suas roupas se tornaram brancas como a luz” (Mt 17:2).
Assim como o Sol não pode ser percebido exceto pelo brilho de sua luz, Deus é conhecido por meio de Jesus. De nossa perspectiva, os dois são um. Visto que a glória de Deus é a própria luz, não há diferença entre Deus e Jesus, assim como não há diferença entre a luz e seu esplendor.
Hebreus também diz que Jesus é a “expressão exata” do Pai (Hb 1:3). O ponto da metáfora é que existe uma correspondência perfeita no Ser, ou essência, entre o Pai e o Filho. Observe que o ser humano carrega a imagem de Deus, mas não Sua essência (Gn 1:26). O Filho, entretanto, compartilha a mesma essência com o Pai. Não é de admirar que Jesus tenha dito: “Quem vê a Mim, vê o Pai” (Jo 14:9).

Por que é maravilhoso o fato de Jesus nos revelar o caráter e a glória do Pai? O que Jesus nos diz sobre como o Pai é?
Quarta, 12 de janeiro Ano Bíblico: Gn 37-39 Por meio Dele Deus fez o UniversoPor meio Dele
Deus fez o Universo

Hebreus afirma que Deus criou o mundo “por meio de” ou “por” Jesus e que Jesus sustenta o mundo com Sua palavra poderosa.
6. Leia Isaías 44:24; 45:18 e Neemias 9:6. Visto que no Antigo Testamento o Senhor disse que criou o mundo “sozinho” e que é o “único Deus”, como conciliar essa afirmação com as declarações no Novo Testamento de que Deus criou o Universo por meio de Jesus (Hb 1:2, 3)?
Is 44:24 Assim diz o SENHOR, que te redime, o mesmo que te formou desde o ventre materno: Eu sou o SENHOR, que faço todas as coisas, que sozinho estendi os céus e sozinho espraiei a terra.

Is 45:18 Porque assim diz o SENHOR, que criou os céus, o Deus que formou a terra, que a fez e a estabeleceu; que não a criou para ser um caos, mas para ser habitada: Eu sou o SENHOR, e não há outro.

Ne 9:6 Só tu és SENHOR, tu fizeste o céu, o céu dos céus e todo o seu exército, a terra e tudo quanto nela há, os mares e tudo quanto há neles; e tu os preservas a todos com vida, e o exército dos céus te adora.

Hb 1:2Nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo. 3 Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas.

Alguns creem que Jesus foi o instrumento por meio do qual Deus criou o mundo. Isso não é possível. Primeiro, para Paulo, Jesus é o Criador; Ele não era um ajudante. Hebreus 1:10 diz que Jesus é o Senhor que criou a Terra e os céus, e Paulo também aplica a Ele o que o Salmo 102:25-27 diz sobre o Senhor (Yahweh) como Criador. Em segundo lugar, Hebreus 2:10 diz que o Universo foi criado “por” ou “por meio” do Pai (exatamente as mesmas expressões aplicadas a Jesus em Hb 1:2). O Pai criou e Jesus Cristo criou (Hb 1:2, 10; 2:10). Há um acordo perfeito entre Pai e Filho em propósito e atividade. Isso faz parte do mistério da Trindade. Jesus criou e Deus criou, mas há apenas um Criador: Deus – o que implica que Jesus é Deus. Hb 1:10 Ainda: No princípio, Senhor, lançaste os fundamentos da terra, e os céus são obra das tuas mãos; Sl 102:25 Em tempos remotos, lançaste os fundamentos da terra; e os céus são obra das tuas mãos. 26 Eles perecerão, mas tu permaneces; todos eles envelhecerão como uma veste, como roupa os mudarás, e serão mudados. 27 Tu, porém, és sempre o mesmo, e os teus anos jamais terão fim. Hb 2:10 Porque convinha que aquele, por cuja causa e por quem todas as coisas existem, conduzindo muitos filhos à glória, aperfeiçoasse, por meio de sofrimentos, o Autor da salvação deles.
Hebreus 4:13 mostra que Jesus também é Juiz. Sua autoridade para governar e julgar deriva do fato de que Deus criou todas as coisas e sustenta o Universo (Is 44:24-28).
Hebreus 1:3 e Colossenses 1:17 afirmam que Jesus também sustenta o Universo. Essa ação provavelmente inclua a ideia de orientação ou governança. A palavra grega pheron (“sustentar”, “carregar”) é usada para descrever o vento guiando um barco (At 27:15, 17) ou Deus conduzindo os profetas (2Pe 1:21). Assim, Jesus não apenas nos criou, mas também nos sustenta. Cada respiração, cada batida do coração, cada momento de nossa existência encontra-se Nele, Jesus, o fundamento de toda existência criada.

Leia Atos 17:28. O que o texto nos diz sobre Jesus e Seu poder? Reflita sobre as implicações da morte de Jesus na cruz pelos nossos pecados.
At 17:28 pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos, como alguns dos vossos poetas têm dito: Porque dele também somos geração.

O que essa verdade nos ensina sobre o caráter abnegado de nosso Senhor?
Quinta, 13 de janeiro Ano Bíblico: Gn 40-42 Hoje Eu gerei VocêHoje Eu gerei Você
Hebreus 1:5 relata as seguintes palavras do Pai a Jesus: “Você é Meu Filho, hoje Eu gerei Você.” Isso significa que Jesus foi “gerado”, mas quando isso aconteceu? Isso não mostra que Jesus foi de alguma forma criado por Deus em algum momento no passado, como muitos creem?
7. Leia Hebreus 1:5; 2 Samuel 7:12-14; Salmo 2:7 e Lucas 1:31, 32. Que promessa feita a Davi Paulo aplicou a Jesus em Hebreus?
Hb 1:5 Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei Pai, e ele me será Filho?

2º Sm 7:12 Quando teus dias se cumprirem e descansares com teus pais, então, farei levantar depois de ti o teu descendente, que procederá de ti, e estabelecerei o seu reino. 13 Este edificará uma casa ao meu nome, e eu estabelecerei para sempre o trono do seu reino. 14 Eu lhe serei por pai, e ele me será por filho; se vier a transgredir, castigá-lo-ei com varas de homens e com açoites de filhos de homens.

Sl 2:7 Proclamarei o decreto do SENHOR: Ele me disse: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei.

Lc 1:31 Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem chamarás pelo nome de Jesus. 32 Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; Deus, o Senhor, lhe dará o trono de Davi, seu pai.

Jesus foi gerado no sentido de que Ele foi “adotado” por Deus como o Governante prometido, o Filho de Davi. O conceito da adoção divina do governante era comum no mundo greco-romano e no Oriente. Isso dava ao governante legitimidade e poder sobre a terra.
No entanto, Deus prometeu a Davi que seu Filho seria o Governante legítimo das nações. Ele iria “adotar” o Filho de Davi como Seu próprio. Por meio desse processo, o Rei davídico se tornaria o protegido de Deus e Seu herdeiro. Deus derrotaria Seus inimigos e Lhe daria as nações como herança (Sl 89:27; 2:7, 8).
Conforme lemos em Romanos 1:3, 4 e Atos 13:32, 33, Jesus foi publicamente revelado como o Filho de Deus. Seu batismo e a transfiguração foram momentos em que Deus identificou e anunciou Jesus como Seu Filho (Mt 3:17; 17:5).
Rm 1:3 com respeito a seu Filho, o qual, segundo a carne, veio da descendência de Davi 4 e foi designado Filho de Deus com poder, segundo o espírito de santidade pela ressurreição dos mortos, a saber, Jesus Cristo, nosso Senhor.

Atos 13:32 Nós vos anunciamos o evangelho da promessa feita a nossos pais, 33 como Deus a cumpriu plenamente a nós, seus filhos, ressuscitando a Jesus, como também está escrito no Salmo segundo: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei.

Mt 3:17 E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.

Mt 17:5 Falava ele ainda, quando uma nuvem luminosa os envolveu; e eis, vindo da nuvem, uma voz que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo; a ele ouvi.

Contudo, de acordo com o NT, Jesus Se tornou o “Filho de Deus com poder” (Rm 1:4) quando ressuscitou e Se assentou à destra de Deus. Foi nesse momento que o Senhor cumpriu a promessa feita a Davi de que seu Filho seria como o próprio Filho de Deus e Seu trono seria estabelecido para sempre (2Sm 7:12-14).
Desse modo, César (símbolo de Roma) não era o legítimo “Filho de Deus”, governante das nações, mas Cristo. A ideia de Jesus como um Ser gerado se refere ao início do governo de Jesus sobre as nações, e não ao início de Sua existência, pois Ele sempre existiu. Nunca houve tempo em que Jesus não existisse, porque Ele é Deus.
Jesus não tem “princípio de dias nem fim de existência” (Hb 7:3; 13:8), porque é eterno.
Hb 7:3 sem pai, sem mãe, sem genealogia; que não teve princípio de dias, nem fim de existência, entretanto, feito semelhante ao Filho de Deus), permanece sacerdote perpetuamente.

Hb 13:8 Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre.

A ideia de “Filho unigênito” de Deus não trata da natureza de Cristo, mas de Seu papel no plano da salvação, visto que Ele cumpriu todas as promessas da aliança.
Sexta, 14 de janeiro Ano Bíblico: Gn 43-45 Estudo adicional
A vinda de Jesus à Terra cumpriu várias funções. Em primeiro lugar, como divino Filho de Deus, Jesus veio para nos revelar o Pai. Por meio de Suas ações e palavras, nos mostrou como o Pai realmente é e por que podemos confiar Nele e obedecer-Lhe.
Jesus também veio como o Filho prometido de Davi, Abraão e Adão, por meio de quem Deus prometeu que derrotaria o inimigo e governaria o mundo. Assim, Jesus veio para tomar o lugar de Adão à frente da humanidade e cumprir o propósito original do Criador (Gn 1:26-28; Sl 8:3-8). Jesus veio para ser o Governante justo que Deus sempre quis que este mundo tivesse.
Gn 1:26 Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam pela terra. 27 Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. 28 E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo animal que rasteja pela terra.

Sl 8:3 Quando contemplo os teus céus, obra dos teus dedos, e a lua e as estrelas que estabeleceste, 4 que é o homem, que dele te lembres E o filho do homem, que o visites? 5 Fizeste-o, no entanto, por um pouco, menor do que Deus e de glória e de honra o coroaste. 6 Deste-lhe domínio sobre as obras da tua mão e sob seus pés tudo lhe puseste: 7 ovelhas e bois, todos, e também os animais do campo; 8 as aves do céu, e os peixes do mar, e tudo o que percorre as sendas dos mares.

“As palavras dirigidas a Jesus no Jordão – ‘Este é o Meu Filho amado, em quem Me comprazo’ (Mt 3:17) – abrangem a humanidade. Deus falou a Jesus como nosso Representante. Com todos os nossos pecados e fraquezas, não somos rejeitados como indignos. Deus ‘nos fez agradáveis a Si no Amado’ (Ef 1:6, ARC). A glória que veio sobre Cristo é uma garantia do amor de Deus para conosco. [...] A luz que irradiou dos portais abertos sobre a cabeça de nosso Salvador brilhará sobre nós ao pedirmos auxílio para resistir à tentação. A voz que falou a Cristo diz a todo aquele que crê: ‘Este é o Meu filho amado, em quem Me comprazo’” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 113).

Perguntas para consideração:

1 Compreender as palavras e ações de Jesus nos ajuda a entender melhor a Deus, o Pai. Na prática, como isso enriquece seu relacionamento com o Pai?

2 A maneira pela qual Deus falou com Jesus e O tratou é a mesma com que Ele deseja falar conosco e nos tratar. O que isso nos diz sobre como devemos tratar os outros?

3 Pense na importância da divindade eterna de Cristo. O que perdemos se cremos que Jesus foi apenas uma criatura que foi crucificada? Contraste esse pensamento com a realidade de que Cristo é o Deus eterno que foi voluntariamente para a cruz. Qual é a diferença?

4 Dar glória a Deus é parte da verdade presente? (Ap 14:7)

Respostas e atividades da semana:

1 Levantar dentre Seu povo um Rei, que destruiria Seus inimigos e que atrairia as nações para Israel.

2 A.

3 Jesus é a revelação do Pai.

4 Ele é Herdeiro de todas as coisas e superior aos anjos.

5 A glória divina é a luz de Sua presença.

6 O Pai criou e Jesus criou, como num acordo perfeito entre Pai e Filho em propósito e atividade. Há apenas um Criador: Deus; Jesus é Deus.

7 Deus prometeu a Davi que seu Descendente governaria as nações. Deus adotou Jesus como Filho e fez Dele Seu Herdeiro.



Notas de Ellen G. White (Indisponível)




















Auxiliar Resumo da Lição 3 ESBOÇO Temas da lição

Ao longo da história da humanidade, pessoas aguardaram com grande expectativa a vinda do Redentor. Após a queda, nossos primeiros pais, Adão e Eva, pensaram que Caim, seu filho primogênito, seria o prometido Libertador. Abraão recebeu a promessa de que, por meio de seu filho Isaque, todas as nações da Terra seriam abençoadas. Davi recebeu a promessa de um filho que, se fosse fiel a Deus, seria estabelecido para sempre. Nenhum desses imaginava que o próprio Deus seria o Redentor prometido.

Profetas do AT fizeram algumas previsões messiânicas enigmáticas usando a expressão “nos últimos dias” (ver Nm 24:14-17), que é diferente de outras profecias do AT que usam a expressão “tempo do fim” (ver Dn 8:17, 19). Os “últimos dias” tiveram início com a vinda de Cristo. Depois de um longo período de tempo, algumas vezes chamado de período intertestamentário, Deus falou mais uma vez. Dessa vez, porém, falou da maneira mais clara, e qualitativamente, de modo superior por meio de Jesus Cristo. Ele é igual a Deus, pois é “a expressão exata do Seu Ser” (Hb 1:3), e, sendo divino, também é o Criador, bem como o Mantenedor do Universo.

Alguém pode perguntar: se Cristo é igual a Deus, como Paulo, ao falar em nome do Pai, escreveu sobre Jesus: “Você é Meu Filho; hoje Eu gerei Você” (Hb 1:5)? Isso significa que Jesus foi de alguma forma gerado e, portanto, não é eterno? Explique.

COMENTÁRIO

A natureza de Cristo

A questão da natureza de Cristo tem produzido diferentes interpretações. O texto de Hebreus 1:1-3 teve a intenção de provar a superioridade de Cristo sobre os profetas. Na passagem seguinte (Hb 1:4-14), Paulo se preocupou em provar a superioridade de Cristo obre os anjos. A razão para enfatizar a superioridade de Cristo pode ter sido um grande interesse por parte do público nos anjos ou mesmo na veneração deles, semelhante ao que se percebe na igreja de Colossos (Cl 2:18).

Para fundamentar seu argumento de que Cristo é superior aos anjos, em Hebreus 1:5, Paulo citou dois versos do AT, sendo o primeiro deles o Salmo 2:7. Em seu contexto original, esse salmo fala sobre reis e governantes desta Terra que conspiram contra Deus. No entanto, Deus ri deles e os aterroriza. Por fim, Ele entronizará Seu divino Rei no Monte Sião: “Você é Meu filho; hoje Eu gerei Você” (Sl 2:6, 7). No sermão em Antioquia da Pisídia, Paulo aplicou esse texto à ressurreição de Cristo (At 13:33). Em todo o cristianismo, esse salmo foi interpretado como cristológico. Essa interpretação significa que Deus gerou Jesus em Sua ressurreição?

De forma nenhuma! Deus simplesmente estava chamando Seu Filho da sepultura ao agir por meio de Gabriel, “o mais poderoso das hostes do Senhor”, aquele “que ocupa a posição da qual caiu Satanás”, para remover a pedra do túmulo de Cristo como se fosse um seixo. Os soldados que guardavam o túmulo ouviram-no exclamar: “Filho de Deus, vem para fora! Teu Pai Te chama” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 780). Assim, Deus, o Pai, despertou Seu Filho do sono. Da mesma forma, em 1 Coríntios 4:15, Paulo disse aos coríntios: “Eu gerei vocês em Cristo Jesus pelo evangelho”. Isso significa que Paulo literalmente gerou a igreja? Claro que não! Paulo os trouxe à vida espiritual; ele os gerou em sentido espiritual (o mesmo termo é usado para Onésimo [Filemom 10] e para os cristãos em 1Jo 2:29; 1Jo 3:9, etc.).

A segunda citação que Paulo usou para mostrar a superioridade de Cristo sobre os anjos foi 2 Samuel 7:14. O contexto original fala sobre os planos de Davi para construir o templo. No entanto, Natã informou ao rei que seu filho Salomão construiria a casa de Deus. O Senhor também prometeu: “Eu lhe serei por Pai, e ele Me será por filho” (2Sm 7:14). Essa citação em seu contexto original não pode se referir a Cristo por causa do que vem a seguir nesse verso: “Se vier a transgredir, Eu o castigarei com varas de homens e com açoites de filhos de homens” (2Sm 7:14). Por razões óbvias, o verso deve se referir a Salomão, ser humano pecador, em vez de Cristo, sem pecado.

Porém, tanto o Salmo 2:7 quanto 2 Samuel 7:14 têm algo em comum. Ambos enfatizam o fato de que o rei de Israel e Salomão são filhos adotivos de Deus. “Você é Meu filho; hoje Eu gerei você”. “Ele Me será por filho”. A ênfase desses textos não está na paternidade, mas na adoção do rei davídico e na realeza de seu filho, que é transferida, muito mais tarde em Hebreus, para Cristo. A frase introdutória em Hebreus 1:5 pergunta: “Pois a qual dos anjos Deus em algum momento disse: ‘Você é Meu Filho, hoje Eu gerei Você?’” (Hb 1:5). A resposta óbvia é: A nenhum deles. Somente Cristo, “tendo-Se tornado tão superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles” (Hb 1:4). Esse nome é “Meu Filho”, título nunca atribuído a algum anjo. A nenhum deles Deus jamais disse: “Sente-Se à Minha direita, até que Eu ponha os Seus inimigos por estrado dos Seus pés” (Hb 1:13).

Contudo, alguém pode se opor à noção de paternidade como adoção nesse contexto, contrapondo com Hebreus 1:6: “Ao introduzir o Primogênito no mundo” (Hb 1:6). Alguém pode apresentar a seguinte objeção: Esse verso não fala sobre Cristo como primogênito? Boa pergunta. O termo “primogênito” de fato tem o significado de primogenitura em textos como Gênesis 25:13; 27:19 e 35:23. Mas no AT, “primogênito” também é Israel (Êx 4:22, 23), em contraste com o primogênito do Egito. No Salmo 89:27, Davi é chamado de “primogênito” de Deus, embora fosse o mais jovem de oito irmãos, não o primogênito. No NT, Jesus é o “Primogênito” de Maria (Lc 2:7), o “Primogênito” entre muitos irmãos (Rm 8:29), o “Primogênito” de toda a criação (Cl 1:15) e o “Primogênito” dentre os mortos (Cl 1:18; Ap 1:5). Esses textos mostram que o título “primogênito” se refere à preeminência de Cristo na igreja, sobre a criação, o cosmos e os ressuscitados. A relação entre Hebreus 1:5 e o verso 6 indica que o Cristo é esse Rei davídico que Deus apresentou ao mundo com a ordem: “E todos os anjos de Deus O adorem” (Hb 1:6). O restante do capítulo 1, no entanto, toma essas evidências das Escrituras e faz quatro afirmações: (1) apenas uma Pessoa é chamada de “Filho” por Deus (Hb 1:5), e essa Pessoa é Cristo; (2) Os anjos adoram esse Filho (Hb 1:6); (3) O Filho é o Monarca eterno, justo e ungido, que criou os céus e a Terra (Hb 1:8-10); (4) O Filho reina à direita de Deus, enquanto os anjos são espíritos ministradores em favor daqueles que serão salvos (Hb 1:11-14).

Em resumo, podemos dizer que Cristo não foi gerado por Deus, mas, por meio de Sua encarnação como Filho de Deus, a humanidade foi “adotada” e “aceita” “no Amado”. Assim, Cristo recebeu o título de “Primogênito”. Como tal, Sua posição está muito acima dos anjos e merece até a adoração deles. Ellen G. White, ao aconselhar a igreja sobre a melhor forma de alcançar outros cristãos, declarou o seguinte sobre a natureza preexistente de Cristo: “Não saliente os aspectos da verdade que são uma reprovação dos costumes e práticas do povo enquanto eles não tiverem ocasião de saber que acreditamos em Cristo, em Sua divindade e preexistência” (Testemunhos Para a Igreja, v. 6, p. 58). Ellen G. White ajudou a então jovem Igreja Adventista do Sétimo Dia a encontrar o equilíbrio bíblico a respeito da natureza preexistente de Cristo. No contexto da ressurreição de Lázaro, ela escreveu sobre a natureza do Senhor: “Em Cristo há vida original, não emprestada, não derivada” (O Desejado de Todas as Nações, p. 530).

Os últimos dias e o fim dos tempos

Os primeiros escritores cristãos acreditavam que os últimos dias haviam chegado e que culminariam na segunda vinda. Foi por isso que Paulo disse: “Mas nestes últimos dias [em contraste com os dias dos profetas] nos falou pelo Filho” (Hb 1:2). Da mesma forma, quando Pedro e os outros discípulos foram acusados de estar bêbados no Pentecostes, Pedro afirmou que o milagre de falar em línguas era o cumprimento de uma profecia: “E acontecerá nos últimos dias, diz Deus, que derramarei o Meu Espírito sobre toda a humanidade. Os filhos e as filhas de vocês profetizarão” (At 2:17). A profecia de Joel 2 se cumpriu no início dos últimos dias. Além disso, ao falar sobre a encarnação de Cristo, Pedro escreveu: Cristo “foi manifestado nestes últimos tempos, em favor de vocês” (1Pe 1:20). Estes últimos dias são caracterizados por zombadores que questionam a promessa da segunda vinda de Cristo (2Pe 3:3, 4) e exploram a pobres para enriquecer (Tg 5:3). Os últimos dias também são caracterizados pelo surgimento de anticristos (1Jo 2:18).

Embora se reconheça que os últimos dias tiveram início com a encarnação de Cristo, há diferença entre esses “últimos dias” e o “fim dos tempos”, conforme descrito por Daniel e Apocalipse? Considere a profecia de tempo das 2.300 tardes e manhãs em Daniel 8:14. Essa profecia se estende muito além dos dias de Cristo, e outras profecias ainda têm vários eventos pendentes, do nosso ponto de vista no tempo, como as “sete últimas pragas” (Ap 15:1; 21:9). O “último inimigo” (1Co 15:26) ainda não foi vencido, nem ouvimos a “última trombeta” (1Co 15:52). Resumindo, podemos dizer que os últimos dias chegaram com Cristo, mas o último grande acontecimento no tempo do fim ainda está pendente. Entre essas duas vindas, eventos proféticos não cumpridos ainda devem ocorrer.

APLICAÇÃO PARA A VIDA

Percebe-se que Paulo incluiu muita teologia em Hebreus 1. O cristianismo cordial, piedoso e orientado para a prática é necessário. No entanto, nossa ortopraxia (prática) deriva de nossa ortodoxia (crenças). Uma teologia sólida estabelecerá as bases para um bom estilo de vida cristão.

Perguntas para reflexão

1. Na sua opinião, é importante equilibrar a teologia com a prática cristã? Como fazer isso?

2. Como podemos discernir entre nossa “bagagem” religiosa e cultural e a verdade bíblica?

3. Nesta época em que a autoridade tanto na cultura quanto na igreja está em crise, como Hebreus 1 pode nos orientar nesse sentido?


Informativo A Horta de Deus
Por: Mário da Costa

Uma horta é um lugar muito bom para ensinar a Palavra de Deus. É onde as sementes da verdade podem criar raízes. Muitas pessoas do Timor-Leste têm hortas perto de casa. Elas são necessárias para a alimentação, e os produtos extras são vendidos para obtenção de dinheiro. Os produtos essenciais incluem milho, mandioca e batata-doce. Muitas hortas também cultivam folhas verdes, abóbora, mamão, bananas e amendoim.

Certo dia, enquanto eu trabalhava na minha horta, um líder adventista parou em minha casa. “Estamos organizando um programa trimestral para treinar obreiros bíblicos. Você deveria participar”, ele disse. Gostei da ideia! Depois de ter sido batizado, ansiava por uma maneira de compartilhar meu amor por Jesus. Após completar o programa de treinamento, todos os alunos se encontraram na igreja adventista da capital de Timor-Leste, Dili. Lá, todos ficaram sabendo o local para onde qual seriam enviados. Eu não fui escolhido. Tínhamos mais obreiros bíblicos que lugares disponíveis. Então, voltei para meu vilarejo para cuidar da horta. Também me tornei um membro ativo da igreja.

Sete anos se passaram, e outro líder da igreja de Dili me telefonou, dizendo: “Tenho uma ideia. Por que você não serve como obreiro bíblico em sua província?” Gostei dessa ideia! Pouco tempo depois, cheguei no vilarejo de Kodo e me apresentei a um dos moradores, Adolfo. Eu lhe disse que morava um pouco distante e havia sido enviado a seu vilarejo para trabalhar como obreiro bíblico da Igreja Adventista. Ele não conhecia a igreja e ficou curioso para conhecer mais.

Eu lhe contei como aprendi as verdades bíblicas ensinadas pela igreja e decidi fazer parte dessa família. Abri minha Bíblia, e falei que o verdadeiro dia do Senhor era o sábado, não o domingo. Percebi que nossa conversa comoveu Adolfo profundamente e orei para que o Espirito Santo convertesse seu coração.

Três dias depois, voltei à casa dele e o convidei para trabalhar comigo na horta de um vizinho chamado Ângelo. Eu havia descoberto que os aldeões aceitavam muito bem minha ajuda em suas hortas e, enquanto trabalhávamos, podia ensinar-lhes coisas da Bíblia. Enquanto Adolfo e eu ajudamos Ângelo na horta, falamos sobre a Palavra de Deus. Pude ver que Adolfo e Ângelo estavam gostando da conversa. No final da tarde, quando terminamos nosso trabalho, Adolfo veio até mim e perguntou: “Você poderia me dar estudos bíblicos?” Imediatamente, começamos a nos encontrar à noite para estudos bíblicos. Como não havia eletricidade na aldeia, forneci querosene para a lamparina. Durante o dia, eu ensinava a Bíblia a outros aldeões enquanto os ajudava em suas hortas.

Adolfo foi o primeiro habitante a se tornar adventista. Em seguida, Ângelo pediu estudos bíblicos. Por doze anos, ele foi líder de sua congregação. Muitos ficaram zangados quando souberam que ele estudava a Bíblia comigo. Ouvi que eles planejavam me bater. Preocupado com minha segurança, Ângelo sugeriu que interrompêssemos os estudos.

Na época, ele e eu estávamos colhendo e comendo cocos secos descascados em seu jardim. Eu notei que um dos cocos havia começado a brotar. Era incomum que um coco morto brotasse. “Vamos plantar este coco e fazer um acordo com Deus”, eu disse a Ângelo. “Se a obra de Deus frutificar nesta terra, então este coco também viverá. Mas se a obra de Deus terminar rapidamente ou morrer nesta terra, então este coco também morrerá”.

Dez anos se passaram e o coco seco se transformou em uma árvore saudável. Ângelo percebeu. Em uma recente visita ao vilarejo, encontrei-me com ele, que declarou seu desejo de ser batizado. Espero que muitas pessoas sejam levadas ao Senhor, no jardim que Deus me confiou no Timor-Leste.

Há seis anos, as ofertas ajudaram a construir a primeira e única escola adventista na capital do Timor-Leste, Dili. Parte da oferta deste trimestre ajudará a construir um residencial para que as crianças dos vilarejos distantes das montanhas como Kodo possam estudar. Muito agradecemos desde já as ofertas.

Informações adicionais

• Peça que um homem apresente este relato na primeira pessoa.

• Conhecemos sobre Mário semana passada e, na próxima semana, conheceremos mais um testemunho.

• Faça o download das fotos no Facebook: bit.ly/fb-mq.

• Para outras notícias do Informativo Mundial das Missões e informações da Divisão do Pacífico Norte-Asiático, acesse: bit.ly/ssd-2022.

Esta história ilustra os seguintes componentes do plano estratégico do “I Will Go” [Eu irei] da Igreja Adventista: objetivo de crescimento espiritual nº 1 – “reavivar o conceito de missão mundial e sacrifício pela missão como um modo de vida que envolva não apenas os pastores, mas todos os membros da igreja, jovens e idosos, na alegria de testemunhar por Cristo e de fazer discípulos”; objetivo missionário nº 2 – “fortalecer e diversificar o alcance dos adventistas... entre grupos de pessoas não-alcançadas e para religiões não cristãs”; objetivo de crescimento espiritual nº 5 – “discipular indivíduos e família na vida espiritual”. A construção da escola ajudará a concluir o objetivo missionário número 4 – “fortalecer as instituições adventistas na defesa da liberdade, saúde integral e esperança através de Jesus, restaurando pessoas à imagem de Deus”. Saiba mais sobre o plano estratégico em IWillGo2020.org.


Comentário Lição da Escola Sabatina nº 3/1ºT/2022 Lição da Escola Sabatina
nº 3/1ºT/2022

Autor: Adriani Milli Rodrigues
Editoração: André Oliveira Santos
andre.oliveira@cpb.com.br
Revisora: Josiéli Nóbrega

Você conhece alguém que fala bastante? Em nossa vida cotidiana, falar demais é normalmente considerado algo negativo. Mas isso depende muito de quem fala e do que é falado, não é mesmo? No caso da Epístola aos Hebreus, por exemplo, a ênfase é bem positiva. Aliás, a afirmação de que Deus fala bastante, que é a ideia central da introdução da carta, representa, de fato, uma constante oportunidade de salvação que Ele nos oferece. Os primeiros dois versos de Hebreus destacam que “Antigamente, Deus falou, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, mas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho”. Note que Deus não apenas falou muitas vezes, mas também falou de muitas maneiras por meio da palavra profética. Mas não pense que essa fala de “antigamente” por meio dos profetas seja algo simplesmente do passado. Você verá que existem abundantes citações do Antigo Testamento no livro de Hebreus, e todas elas são consideradas muito relevantes para a mensagem da carta. É curioso notar também que, em geral, as citações de passagens do Antigo Testamento em Hebreus são introduzidas pela afirmação de que Deus falou/disse ou fala/diz, e não pela fórmula “está escrito”, que é uma fórmula comum nos outros escritos do Novo Testamento para introduzir textos do Antigo Testamento.

Além disso, o aparente contraste entre as falas anteriores de Deus (muitas vezes e de muitas maneiras) pelos profetas e a Sua fala pelo Filho nos últimos dias pode dar a impressão para alguns de que as falas do Filho sejam abundantes no restante do conteúdo da carta aos Hebreus e que, provavelmente, elas sejam distintas das falas proféticas anteriores. Contudo, nenhuma dessas conjecturas são confirmadas pelo texto da epístola. Muito pelo contrário, as falas explícitas do Filho são poucas, duas mais especificamente (2:11-13; 10:5-9), e todas elas são citações do próprio Antigo Testamento. Para frustrar ainda mais as expectativas dessas conjecturas, de maneira geral, as falas do Filho parecem se dirigir mais para o Pai do que para nós seres humanos. Mas isso não deve significar que o Filho quase não fale em Hebreus. Como indicado no comentário da lição anterior, o conteúdo da exposição doutrinária que caracteriza a mensagem exortativa de Hebreus é fundamentalmente sobre Jesus Cristo.

Em realidade, em Hebreus, o foco da fala de Deus pelo Filho nesses últimos dias não se encontra necessariamente nas falas explícitas de Cristo, mas naquilo que acontece na história da encarnação do Filho, especialmente Sua vida, morte, ressurreição e ascensão. Assim, a história de Jesus Cristo é a mais eloquente fala de Deus aos seres humanos e é especialmente a projeção do cumprimento profético e escatológico dessa história que foi o foco das muitas e multiformes falas de Deus por meio dos profetas no Antigo Testamento. É por isso que as referências à vida e obra de Jesus Cristo em Hebreus são apresentadas, em grande medida, como cumprimento de passagens do Antigo Testamento. Desse modo, a fala profética de Deus antigamente é organicamente conectada com a fala por meio do Filho nesses últimos dias, no sentido de que a última fala constitui a realidade do cumprimento da primeira.

Partindo do pressuposto de que a vida e obra do Filho é a eloquente fala e ação de Deus na história humana, que cumpre escatologicamente as falas anteriores por meio dos profetas, é muito importante observar a cristologia de Hebreus para entendermos a voz de Deus e o significado de Suas ações históricas na Pessoa de Jesus Cristo. Nessa observação, vamos nos concentrar em duas questões principais: (1) em que sentido a fala de Deus na vida do Filho representa os “últimos dias”? Para nós, o conteúdo de Hebreus já não tem quase dois mil anos?; (2) em que sentido devemos entender a linguagem de que o Filho foi gerado pelo Pai?

(1) Os últimos dias

O Novo Testamento como um todo ensina que, com a vinda de Jesus Cristo, conforme anunciada pelos profetas, há uma inauguração dos “últimos dias” (cf. At 2:16, 17, 22-35). O livro de Hebreus também segue essa ênfase, especialmente ao ressaltar a entronização celestial de Cristo, que Se assentou à destra da Majestade (Hb 1:3). Entretanto, a epístola reconhece que o domínio pleno de Cristo, enquanto Representante adâmico da humanidade, ainda não foi totalmente consumado: “Neste momento, porém, ainda não vemos todas as coisas a Ele sujeitas” (Hb 2:8). Em realidade, Hebreus afirma que, uma vez que Ele “assentou-Se à direita de Deus”, Cristo está “aguardando, daí em diante, até que os Seus inimigos sejam postos por estrado dos Seus pés” (Hb 10:12, 13).

Portanto, embora entronizado, os inimigos de Cristo ainda não foram totalmente eliminados. É exatamente esse quadro de eliminação final dos inimigos do reinado de Cristo que é retratado nos livros proféticos de Daniel e Apocalipse. Por isso, a lição de domingo apresenta a distinção bíblica entre os “últimos dias”, oficialmente inaugurados pela entronização celestial de Cristo, e o “tempo do fim” (Dn 8:17; 12:4), que se refere ao período final da nossa história, quando os inimigos do reinado de Cristo serão completamente colocados “por estrado dos Seus pés”, conforme a progressão profética e escatológica de Daniel e Apocalipse.

(2) A geração do Filho

Antes de mencionar a geração do Filho, a epístola é cuidadosa em enfatizar Sua plena divindade. Ele é “o resplendor da glória de Deus e a expressão exata do Seu Ser” (Hb 1:3). Ele não apenas é criador de todas as coisas (Hb 1:2) como também as sustenta continuamente pelo poder de Sua palavra (Hb 1:3). É curioso notar que, se em Hebreus 1:2 Deus criou o Universo por meio do Filho, em 2:10 Deus é Aquele “por causa de quem e por meio de quem todas as coisas existem”. Portanto, na comparação dessas duas passagens, a linguagem da criação de todas as coisas é intercambiável entre Pai e Filho, revelando a profunda unidade das ações do Deus triúno.

Agora, se o Filho é o Criador e Sustentador de todas as coisas, por que Ele precisa ser constituído Herdeiro delas (veja Hb 1:1)? Se o Filho é o Criador de todas as coisas e “o resplendor da glória de Deus”, “a expressão exata do Seu Ser” (Hb 1:3), por que Ele precisa Se tornar “superior aos anjos” (Hb 1:4)? A explicação para essas perguntas aparece em Hebreus 2:9, que ressalta a encarnação de Jesus, Seu sofrimento e morte para a coroação “de glória e honra”. É como Representante adâmico da humanidade que o Filho encarnado, por ocasião da Sua ascensão, herda todas as coisas e Se torna superior aos anjos. Esse é o contexto para o entendimento adequado da cadeia de citações do Antigo Testamento em Hebreus 1:5-14, que se inicia com a citação do Salmo 2:7: “Você é Meu Filho, hoje Eu gerei você” (Hb 1:5a).

Note que o Salmo 2 é um salmo de entronização do rei de Israel. A linguagem de geração significa a coroação do rei davídico. “‘Eu constituí o Meu Rei sobre o Meu santo monte Sião.’ O rei diz: ‘Proclamarei o decreto do Senhor. Ele Me disse: ‘Você é Meu Filho, hoje Eu gerei Você. Peça, e Eu lhe darei as nações por herança e as extremidades da Terra por Sua possessão” (Sl 2:6-8). Essa mesma ideia aparece em 2 Samuel 7:14, citado em Hebreus 1:5b, e na linguagem do primogênito, mencionado em Hebreus 1:6 e no Salmo 89:27.

Por meio dos eventos proféticos que se cumprem na história do Cristo encarnado, especialmente em Sua entronização após a ascensão, as promessas de Deus se realizam. Por meio dessa história, Deus nos fala: os últimos dias já começaram. Você deseja fazer parte desse reino?

Conheça o autor dos comentários para a Lição deste trimestre: Adriani Milli Rodrigues é o coordenador da graduação em Teologia no Centro Universitário Adventista de São Paulo. Possui doutorado (Ph.D) em Teologia Sistemática na Andrews University (EUA) e mestrado em Ciências da Religião pela UMESP. Natural do Espírito Santo, ele trabalha no Unasp desde 2007. É casado com a professora Ellen e tem uma filha, a Sarah, de 7 anos.